Reserva Natural Local da foz do Almargem e Trafal em discussão pública

  • Print Icon

Reserva Natural Local da Foz do Almargem e do Trafal, no concelho de Loulé, já estão em discussão pública.

Vai estar em período de discussão pública a proposta de classificação e o projeto de regulamento da Reserva Natural da Foz do Almargem e do Trafal, até dia 17 de agosto.

Esta é uma das ações do município de Loulé tendo em vista a preservação da biodiversidade do seu território. Este processo começou em maio de 2021 e culmina agora com esta consulta à população e a todos os interessados.

A futura Reserva abarca uma área de cerca de 135 hectares, localizada na freguesia de Quarteira, atravessada por duas ribeiras, a ribeira da Fonte Santa ou do Almargem e a ribeira do Carcavai, e constitui uma das importantes zonas húmidas do Algarve.

A riqueza natural (alberga, pelo menos, 214 espécies de flora autóctone, nove habitats naturais e mais de 235 espécies de fauna) torna esta zona de especial importância para o equilíbrio do ecossistema, pelo que decidiu a Câmara Municipal de Loulé assumir uma gestão desta área enquadrada na sua política ambiental e de adaptação às alterações climáticas.

Por outro lado, considerando que esta é uma zona bastante apetecível do ponto de vista urbanístico, os responsáveis municipais acreditam que esta Reserva constituirá um travão ao crescimento imobiliário desregrado, salvaguardando esta zona sensível do ponto de vista ambiental.

Os documentos referentes ao processo encontram-se disponíveis para consulta online na página do município de Loulé bem como no Portal Participa.

A consulta presencial dos documentos poderá ser feita, entre as 9h00 e as 17h00, no edifício dos Paços do Concelho, em Loulé, e no Centro Autárquico de Quarteira.

Durante este período os interessados poderão apresentar as suas observações e sugestões diretamente no Portal Participa, ou através de email (ambiente@cm-loule.pt) ou por correio postal dirigido ao presidente da Câmara Municipal de Loulé ou ainda em documento apropriado nos locais referidos.

A Câmara Municipal de Loulé contribui desta forma para o objetivo da Convenção sobre a Diversidade Biológica que, em articulação com as Nações Unidas e com a UNESCO, propõe proteger o Planeta, alargando a extensão das áreas protegidas, que neste momento representam apenas 15 por cento da superfície do Globo, para 30 por cento até ao ano de 2030.