Há um novo dragão do lodo no Algarve e tem o apelido da região

  • Print Icon

Há um novo dragão do lodo no Algarve e tem o apelido da região. A nova espécie chama-se Setaphyes algarvensis.

Foi apenas em 2016 que, a partir de um estudo publicado na Marine Biology Research, se ficou a saber que as linhas costeiras de Portugal são o habitat de duas espécies de quinorrincos completamente novas para a ciência.

Estas duas espécies marinhas, designadas Echinoderes lusitanicus e Echinoderes reicherti, foram descobertas na zona entre Faro e Albufeira e a uma profundidade entre 35 e 100 metros.

Vulgarmente designados dragões do lodo (do inglês, mud dragons), os quinorrincos são animais invertebrados microscópicos pertencentes ao pouco conhecido filo Kinorhyncha.

Estes animais exclusivamente marinhos têm menos de 1 milímetro (mm) de comprimento, um corpo cilíndrico e vivem, tal como vários outros grupos pertencentes à meiofauna marinha, na camada superficial do lodo ou entre grãos de areia.

«A meiofauna é importantíssima para o estudo da biodiversidade dos ecossistemas marinhos e, também, para a tomada de decisões políticas em prol de um desenvolvimento ambiental sustentado», afirma Ricardo Neves, primeiro autor do estudo de 2016.

Além do seu valor intrínseco (por exemplo, a elevada riqueza específica e biodiversidade) e importância para o conhecimento da história evolutiva dos animais, a presença de meiofauna relaciona-se positivamente com a qualidade dos sedimentos das zonas costeiras que, por sua vez, têm um elevado valor socioeconómico devido às atividades turística e pesqueira aí realizadas.

Logo, «é um dever melhorar o conhecimento sobre a meiofauna presente nas costas portuguesas, e investigar a presença de animais pertencentes a alguns grupos menos conhecidos, como é o caso dos quinorrincos», defende Ricardo Neves.

Assim, tendo por objetivo dar continuidade ao estudo sobre a biodiversidade de quinorrincos em Portugal, o biólogo Ricardo Neves, investigador na Universidade de Copenhaga aquando da análise dos resultados, é coautor de um novo estudo em que foram analisadas amostras recolhidas na zona entremarés da Ria de Alvor, em fevereiro de 2012, em colaboração com Nuria Sánchez, investigadora espanhola da Universidad Complutense de Madrid.

Há um novo dragão do lodo no Algarve e tem o apelido da região. A nova espécie chama-se Setaphyes algarvensis.
Imagem de microscopia electrónica de varrimento de um macho da Setaphyes algarvensis.

Nas amostras recolhidas há cerca de 10 anos foi possível encontrar vários espécimes cujo estudo levou à identificação de uma nova espécie de Kinorhyncha.

A nova espécie, cuja descrição foi recentemente publicada no European Journal of Taxonomy, foi designada Setaphyes algarvensis por referência à região do Algarve, onde foi encontrada.

Esta publicação resulta da investigação realizada para a tese de mestrado de Alberto González-Casarrubios, primeiro autor e aluno da Universidad Complutense de Madrid.

Responsável pela descrição de várias espécies de quinorrincos descobertos em Espanha, a bióloga Nuria Sánchez salienta que «as águas costeiras da Península Ibérica são já bastante conhecidas pela sua elevada biodiversidade, porém o estudo da sua fauna continua a revelar a presença de novas espécies ainda totalmente desconhecidas para a ciência».

«Com a descoberta e descrição desta terceira espécie de Kinorhyncha encontrada exclusivamente em águas Portuguesas, ampliámos o conhecimento sobre a biodiversidade que caracteriza o nosso país. Também é desta forma que fazemos das linhas costeiras de Portugal um ecossistema mais rico e interessante», frisa Ricardo Neves.