CCMAR liberta cavalos-marinhos criados em cativeiro na Ria Formosa

  • Print Icon

Investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) voltam a libertar cavalos-marinhos criados na Estação Marinha do Ramalhete.

Os investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) voltam a libertar na Ria Formosa cavalos-marinhos criados na Estação Marinha do Ramalhete da Universidade do Algarve (UAlg), amanhã, quinta-feira, dia 24 de novembro.

A atividade de repovoamento de cavalos-marinhos terá lugar na zona de santuário recentemente estabelecida na Ria Formosa. Nesta atividade, cientistas do CCMAR vão também avaliar os esforços de repovoamento iniciados no ano passado.

Será uma oportunidade para destacar estes animais marinhos e verificar se estão a ser atingidos os objetivos de conservação. Na década de 2000, as populações de cavalos-marinhos na Ria Formosa locais atingiam as maiores densidades mundiais.

Hoje, contudo, estas populações locais estão à beira da extinção e o seu habitat, as pradarias de ervas marinhas, apresenta graves sinais de degradação.

Segundo o CCMAR, «a situação é altamente preocupante, tendo se agravado nos últimos anos, justificando os atuais esforços para repovoar a zona de santuário de cavalos-marinhos da Ria Formosa e, desta forma, reverter a tendência de redução das populações que se tem registado».

Através do projeto SEAGHORSE, o CCMAR e a Fundação Belmiro de Azevedo estão empenhados na conservação do cavalo-marinho da Ria Formosa, através de esforços de repovoamento como o que terá lugar amanhã.

O projeto tem desenvolvido estudos para compreender a dinâmica das populações de cavalos-marinhos e a sua ecologia trófica, assim como o papel das ervas marinhas como habitats de apoio e fornecedores de alimentos aos cavalos-marinhos.

Está a ser desenvolvido em estreita colaboração com as autoridades envolvidas nos esforços em curso para a conservação dos cavalos-marinhos, nomeadamente as autoridades marítimas, Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) / Parque Natural da Ria Formosa e Agência Portuguesa do Ambiente (APA) / ARH do Algarve.