Assembleia Municipal de Loulé saudou a «Greve Climática Mundial»

  • Print Icon

Na mais recente sessão da Assembleia Municipal de Loulé, realizada a 23 de setembro, foi aprovada por unamidade a moção «Loulé Saúda a GREVE CLIMÁTICA de dia 27 de Setembro – Porque não há Planeta B», de iniciativa do Bloco de Esquerda (BE).

Aquele Órgão Municipal louletano manifestou a necessidade de agir de forma imediata, de modo a mitigar os efeitos das alterações climáticas e quebrar a cadeia de ações e comportamentos que potenciam o processo de aquecimento global, afirmando de que «não há planeta B» e manifestamos o apoio à «Greve Climática Mundial» que se realizou na concentração de Faro, junto à rotunda do Hospital».

O documento, pede aos autarcas louletanos a declaração do Município de Loulé em Estado de Emergência Climática, instando as cidadãs e os cidadãos, forças políticas e os órgãos autárquicos do concelho de Loulé a comprometerem-se com várias medidas, entre as quais a Agenda 2030 da ONU para o desenvolvimento sustentável, tomando-a como sua, aasim como os relatórios do painel intergovernamental para as alterações climáticas e as medidas de ação e mitigação propostas nos referidos documentos; a implementação da estratégia nacional para a alterações climáticas; o plano intermunicipal de adaptação às alterações climáticas da AMAL; e tornar o território do município de Loulé neutro em carbono até 2030.

Na iniciativa aprovada foi ainda recomendado ao executivo municipal que conjugue esforços para encetar acções urgentes, concretas e concertadas, com o objectivo de estimular o surgimento de carreiras e horários adequados às necessidades da população do Concelho de Loulé, de preferência por viaturas eléctricas, ter a coragem política para – de modo progressivo, promover os estudos a realizar nesse sentido, assim se confirmem após a consulta aos interessados – encerrar ao trânsito o centro de Loulé (frente à CML), Quarteira (Av. De Sagres), Vilamoura (Av. Tivoli) e centro de Almancil, procedendo à construção urgente de zonas exclusivamente pedonais e de mobilidade suave e salvaguardando o acesso para transportes coletivos e de mercadorias, dotando as mesmas áreas de estacionamentos de proximidade, de dimensão adequada e qualidade.