VRSA volta a assinalar Natal com o maior presépio do país

  • Print Icon

Em ano de pandemia, Vila Real de Santo António volta a ter o maior presépio do país com um recorde de 5600 figuras e 40 toneladas de material.

O maior presépio do país regressa a Vila Real de Santo António (VRSA) no sábado, dia 28 de novembro, batendo mais um recorde: ultrapassará a fasquia das 5600 figuras, expostas no Centro Cultural António Aleixo.

Para dar vida a esta iniciativa, que tem a assinatura de Augusto Rosa e Teresa Marques, dois funcionários autárquicos que contaram com a colaboração de Joaquim Soares e António Bartolomeu, e que atinge a maioridade em 2020, ao completar a sua 18ª edição, foram necessários mais de 40 dias e 2500 horas de trabalho, embora os preparativos já tenham começado há vários meses, mesmo perante a incerteza da pandemia COVID-19.

A lista de materiais utilizados na sua construção é extensa e incorpora mais de 20 toneladas de areia, quatro toneladas de pó de pedra, 3000 quilos de cortiça e centenas de adereços.

Todos estes esforços permitiram que o presépio gigante chegasse, uma vez mais, à meta dos 230 metros quadrados, ocupando toda a área expositiva do Centro Cultural, com milhares de figuras, muitas feitas de raiz pelos seus autores e outras que podem atingir as várias centenas de euros.

Em 2020, a estrutura apresenta-se com nova configuração, mas volta a ter peças evocativas da região, nomeadamente a Praça Marquês de Pombal, as antigas cabanas da praia de Monte Gordo, as salinas, as tradicionais noras algarvias e outros monumentos locais.

As mais de 80 peças animadas e motorizadas, os quatro lagos e a iluminação cénica constituem «o segredo do evento» e são, simultaneamente, «alguns dos pontos mais atrativos. Tudo isto assenta numa complexa base de suporte onde estão instalados os vários quilómetros de cabos que permitem dar vida a esta obra de arte e garantem, por exemplo, a circulação da água, a iluminação das casas e os efeitos cénicos», explica a autarquia de VRSA.

A edilidade acrescenta ainda que «estes elementos juntam-se à reconstituição de muitos episódios cristãos e pagãos associados à quadra natalícia – patentes no presépio – fatores que o distinguem de todos os outros existentes no país e são uma das razões do seu sucesso».

A vertente ecológica também não foi esquecida, «já que a maior parte dos materiais são naturais ou foram reaproveitados, com destaque para a cortiça e musgo». Por outro lado, foram implementados, em muitas das peças, sistemas de iluminação led.

Para Conceição Cabrita, presidente da Câmara Municipal de VRSA, «o Presépio Gigante já faz parte das tradições natalícias do Algarve e é, sem dúvida, um dos eventos âncora do município, reunindo visitantes de todas as idades e de todos os pontos do país».

«Mesmo em ano de pandemia, não quisemos deixar de dar vida a esta tradição e reunimos todos os esforços não só para colocar a estrutura de pé, mas também para assegurar todas as condições de segurança e higiene para quem visitar o presépio», remata.

Nesse sentido, o presépio terá pontos de entrada e de saída diferenciados, tendo sido também estabelecida uma lotação máxima para assegurar a distância mínima de dois metros entre visitantes. O uso de máscara será obrigatório, assim como a desinfeção das mãos à entrada.

A mostra estará patente no Centro Cultural António Aleixo, até ao dia 6 de janeiro de 2021, todos os dias, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 19h00. A entrada tem o valor de 50 cêntimos.