Sindicato acusa a administração da EVA/Barraqueiro de «Salazarista»

  • Print Icon

O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP) disse hoje que «por motivo da greve no sector dos transportes rodoviário de passageiros», a empresa EVA Transportes/ Grupo Barraqueiro «está a castigar os trabalhadores».

Em nota enviada à redação do barlavento, o STURP explica que na segunda-feira, dia 20 de setembro, «os trabalhadores do sector privado de passageiros, desenvolveram uma luta utilizando o direito à greve. A luta tem como objetivo a uma melhoria nos salários e melhores condições de trabalho. A luta é a nível nacional, tendo por parte dos trabalhadores uma adesão como nunca se tinha verificado» em todo o país.

O Algarve não foi exceção, já que «a adesão dos trabalhadores superou as expetativas que até os mais confiantes tinham. A adesão no Grupo EVA/Barraqueiro ultrapassou os 40 por cento, o que fez grande mossa, sendo a prova disso a tentativa que a administração está a levar a cabo para desmoralizar os seus trabalhadores a aderirem à próxima greve que se encontra agendada para dia 1 de outubro».

De «forma desonesta, não democrática, ilegal e mesmo Salazarista, a administração está a tentar demover os trabalhadores de lutar pelos seus direitos», lê-se ainda na nota do STRUP.

Assim, foram colocados «de castigo em lugares-chave, alguns trabalhadores da empresa com o objetivo de os demover e dar o exemplo a outros para que no próximo dia 1 de outubro não adiram à greve».

O STRUP tem a convicção de que «não só não os demoverão da luta, como fará juntar a estes mais camaradas que por uma ou outra razão resolveram não aderir à greve».

«Camaradas, todos os trabalhadores que aderiam a esta greve, estavam lutando por melhorias para todos, o que está neste momento a acontecer com eles, poderá num curto espaço de tempo acontecer com qualquer um de vós. Recordamos que a nova empresa (VIZUR) está prestes a iniciar a sua atividade, e com isso a necessidade dos trabalhadores, e muito em especial os da EVA, se manterem unidos para que não percam direitos com a passagem de uma empresa para outra. Daí, a necessidade de demonstrarmos à administração do Grupo que os trabalhadores se mantêm unidos.

«Caso não seja dada uma resposta firme por parte dos trabalhadores, dificilmente se conseguirá manter a união para lutar pela manutenção do AE da EVA Transportes SA. (a famosa BIBLIA). O Grupo Barraqueiro é detentor de uma empresa que se chama Barraqueiro SGPS, SA que tem um capital social 6.242.197.000,00 euros e que declarou um lucro em plena pandemia de COVID-19 7.247.082,00 euros», conclui a nota.