São Brás atribui voto de louvor à empresa Terracota do Algarve

  • Print Icon

Município de São Brás de Alportel entregou um voto de louvor à Terracota do Algarve, empresa que há mais de 20 anos se dedica à produção de terracota «genuinamente portuguesa».

Esta é, segundo a Câmara Municipal, «uma referência no tecido empresarial são-brasense que prima pela valorização e preservação da arte do barro e do valioso património do telheiro tradicional, que tem aceite desafios para exposições, tertúlias e outras atividades dirigidas à comunidade e que tem dado provas da sua responsabilidade social e dimensão solidária».

Os sócios gerentes, Artur Cavaco e Ângelo Martins, «têm sabido inovar, não descurando a tradição, preservando os processos de fabrico do conhecido Ladrilho Santa Catarina, Tijolo Burro ou Telha Santa Catarina, assim como de outros pavimentos e revestimentos em terracota manual e olaria tradicional», enaltece a autarquia.

Por isso, «com visão e tenacidade, a família foi progressivamente renovando o negócio, apostando em novos serviços e produtos, fruto também de parcerias com outros artesãos, procurando ir ao encontro das necessidades específicas de cada cliente», lê-se na nota enviada às redações pelo executivo de São Brás de Alportel, que lembra ainda que «a Terracota do Algarve já esteve presente na Feira da Serra, a convite do município, numa extraordinária representação de uma das riquezas do nosso território».

Mas, além desta, há outras participações e colaborações concretizadas em diversas ocasiões, como as exposições «Arte do Barro», patente no Museu do Traje, e «Terracota do Algarve: a arte do barro», que esteve patente no Centro Museológico do Alportel de 1 de fevereiro até 30 de abril deste ano. Junta-se ainda a colaboração numa tertúlia e em passeios interpretativos, da maior importância para dar a conhecer este legado, dando a conhecer o processo de fabrico de produtos tradicionais algarvios em terracota, da extração da argila à preparação da pasta, da crivagem da cinza à modelagem da terracota até à secagem e preparação para a cozedura e o desenformar dos produtos.

Para a autarquia de São Brás, destaca-se também «a generosidade da empresa», revelada «de forma singular com a cedência dos materiais que tornaram possível a elaboração da instalação em homenagem ao barro e à indústria corticeira patente na Rotunda do Barro, na Circular Norte, apresentada a público no passado dia 1 de março, numa cerimónia de grande significado, precedida de uma visita guiada à exposição e depois às instalações da empresa onde todos os participantes foram muito bem acolhidos e elucidados sobre todo o processo de fabrico e atividade».

Recentemente, a empresa sofreu um incêndio ocorrido justamente no Telheiro da Terracota do Algarve. Apesar deste infortúnio, «de forma altruísta, a empresa tornou a revelar a sua generosidade quando, mais recentemente, se disponibilizou para doar os materiais necessários para a criação de uma estrutura necessária para o Campo de Treino para Bombeiros, que está a ser criado na zona adjacente ao Parque de Manobras – Espaço Multiusos do Município», afirma a edilidade.

Assim, «no âmbito da estratégia de valorização do empreendedorismo são-brasense, reconhecendo o meritório trabalho desenvolvido há diversos anos pela empresa Terracota do Algarve, exemplo de resiliência, altruísmo e envolvimento com a comunidade, constituindo uma referência incontornável são-brasense», o executivo municipal aprovou a 21 de julho «um voto de louvor à Terracota do Algarve e aos sócios gerentes pela atividade contínua que muito orgulha o município e a comunidade são-brasense».