Ryanair aumenta voos do Reino Unido para Faro em setembro e outubro

  • Print Icon

Companhia aérea lança em simultâneo uma promoção de lugares.

A Ryanair vai reforçar as ligações semanais entre o Reino Unido e Portugal, de 11 de setembro a 24 de outubro, com mais 14 voos para Faro, anunciou hoje a companhia aérea low-cost.

A notícia surge depois da inclusão de Portugal na lista de destinos seguros para viajar do Reino Unido, face à pandemia COVID-19.

A Ryanair decidiu, assim, reforçar as ligações aéreas entre os dois países, «introduzindo 14 voos adicionais para Faro desde 12 aeroportos do Reino Unido», informou a empresa, em comunicado. A companhia aérea acrescenta que lançou uma promoção de lugares com tarifas a partir de apenas 19,99 euros por trajeto, em toda a rede Reino Unido-Portugal, para viajar em setembro e outubro de 2020.

«Desta forma, será ainda mais fácil para os nossos clientes no Reino Unido reservar a tão esperada escapadinha de verão em Portugal», refere, na mesma nota, o diretor de Marketing & Digital da empresa, Dara Brady.

Portugal integra desde as 4h00 de dia 22 de agosto a lista dos países com «corredores de viagem» para Inglaterra, cujos passageiros ficam isentos de cumprir uma quarentena de duas semanas devido à pandemia.

A medida foi tomada no dia 20 de agosto pelas autoridades britânicas, que a justificaram com os números apresentado por Portugal no controlo da pandemia no seu território.

Portugal juntou-se assim a um grupo reduzido de países que foram adicionados à lista de «corredores de viagem» com o Reino Unido desde meados de julho, que incluem a Estónia, Letónia, Eslováquia, Eslovénia, o arquipélago de São Vicente e Granadinas, Brunei e a Malásia.

O Reino Unido tinha introduzido, a 8 de junho, a necessidade de autoisolamento por 14 dias a todas as pessoas que cheguem do estrangeiro, para evitar a importação de infeções, mas um mês depois isentou cerca de 70 países e territórios, considerados de baixo risco.

A isenção de quarentena é acompanhada com a mudança do conselho do Ministério dos Negócios Estrangeiros contra as viagens não essenciais para aqueles destinos, importante para efeitos de seguro de viagem.

Portugal, tal como a Suécia e Estados Unidos, esteve sempre fora da lista britânica dos destinos seguros, decisão que o Governo português questionou por considerar não ser «baseada nos factos e nos números que são públicos».

O Reino Unido é o principal mercado emissor de turistas para Portugal, tendo representado cerca de 20 por cento do total em 2019.