PSD Portimão critica «silêncio» da Câmara perante greve dos professores

  • Print Icon

O PSD Portimão questiona o executivo municipal sobre o porquê de ainda não se ter manifestado perante os professores em greve e os alunos que permanecem sem aulas.

A Comissão Política do Partido Social Democrata (PSD) Portimão, em nota enviada à redação do barlavento na manhã desta quinta-feira, dia 19 de dezembro, questiona a Câmara Municipal sobre o porquê de, ao longo de três semanas, não ter tido ainda «uma palavra para com o corpo docente, não docente, encarregados de educação e alunos».

São «milhares os jovens portimonenses sem aulas», alguns desde a interrupção natalícia, outros desde dia 4 de janeiro, «que ficam com a sua aprendizagem suspensa em virtude de questões de outros que não suas», aponta a força política

E, «tal como no país, sendo o nosso foco o nosso concelho com abrangência às suas três freguesias, vemos processos de avaliação deturpados da realidade por ausência de provas», acusa.

Ainda assim, o PSD Portimão assegura: «estar seguramente do lado da razão nacional que apela à articulação, discussão e resolução do impasse criado entre o Ministério da Educação e a classe mais importante do crescimento de qualquer jovem a adulto, os professores».

Ao nível local, «há questões em que não podemos ter o silêncio que se vê, infelizmente» por parte de Isilda Gomes, líder do executivo municipal, nem por Teresa Mendes, vereadora «que coordena este importante pelouro», critica a Comissão Política.

No comunicado, lê-se ainda que existem questões relacionadas com «melhoramentos de infraestruturas escolares que estão no papel, estão prometidos há muito tempo e são da competência do município».

O PSD Portimão fala ainda sobre «a alocação de pessoal não docente que continua sem resolução».

Tais motivos levam a força política a questionar o executivo municipal: «sendo da mesma cor política do governo [PS] não é possível vir a público pedir explicações e demonstrar que tem como prioridade os problemas dos portimonenses e não a sua sigla partidária?»

«Ou serão coniventes com o estado a que a educação nacional e local chegou?», interrogam.

Definindo a educação como base vital da sociedade, a Comissão Política pergunta «quando vai o executivo cumprir com as obras de melhoria infraestrutural do Parque Escolar de Portimão que é repetido como grave, vezes sem conta, por direções de Agrupamentos, associações de pais e alunos?»

«Teremos de aguardar pela proximidade das próximas eleições autárquicas?», acrescenta.

Para o PSD Portimão, a educação é um «assunto suprapartidários. Não é de esquerda, nem de direita. Não é do PS, nem do PSD».

Por isso, «esperamos que o PS e a Câmara Municipal de Portimão deixem de estar em silêncio e digam algo aos milhares que estão nas ruas de Portimão e em casa, sem aulas».