Portugal com maior queda nas vendas de automóveis na UE

  • Print Icon

Portugal com maior queda nas vendas de automóveis na UE em janeiro e fevereiro.

Portugal registou a maior queda no mercado de vendas de veículos automóveis na União Europeia (UE) em janeiro e fevereiro, numa redução de 47,1 por cento, adiantou a Associação Automóvel de Portugal (ACAP) em comunicado.

Citando números de vendas de veículos hoje publicados na UE, a associação referiu que «Portugal, no conjunto dos meses de janeiro e fevereiro, teve a maior queda percentual (-47,1 por cento) de vendas, dos vinte e sete países da União Europeia. No total do mercado da UE, a quebra neste período foi de 21,7 por cento», lê-se na mesma nota.

De acordo com a ACAP, em fevereiro, «com o agravamento causado pelo encerramento dos stands de automóveis», a descida do mercado nacional «foi ainda superior (-59 por cento) à verificada na União Europeia, que foi de -19,3 por cento».

Analisando o ano de 2020, «o mercado automóvel em Portugal teve a terceira maior queda percentual em toda a União Europeia», referiu a associação, acrescentando que «tem, insistentemente, referido é que necessário que o governo adote rapidamente medidas de estímulo à procura” no setor, como fizeram os outros países.

«O facto de os outros mercados, terem vindo a ter quedas sempre inferiores à nossa, resulta do facto de os governos desses países terem avançado com programas de renovação do parque automóvel assim como com o aumento do incentivo à compra de veículos eletrificados», defende a associação.

«Em Portugal, o governo não só não tomou qualquer medida de estímulo à renovação do parque automóvel como, ainda, recentemente reduziu os incentivos para a compra de veículos elétricos», criticou a ACAP, apontando que no Orçamento do Estado para 2021 foram eliminados «os benefícios fiscais para os veículos híbridos convencionais» e restringido «o acesso aos benefícios para os híbridos plug-in».