Portimão terá 30 caixas-ninho de «Alojamento Local para Aves»

  • Print Icon

Primeira fase arrancou com a instalação de 12 unidades em espaços públicos da cidade.

Vários espaços verdes de Portimão receberam ontem, quinta-feira, dia 17 de dezembro, 12 das 30 caixas-ninho previstas para a cidade, numa ação integrada no projeto «Alojamento Local para Aves», proposto pela organização não governamental de ambiente Vita Nativa, uma das iniciativas vencedoras do Orçamento Participativo Portugal 2018.

Nesta primeira fase, a cidade instalou as caixas nas imediações de locais públicos como o Portimão Arena, a Quinta Pedagógica, o Viveiro Municipal e o Jardim das Águas Livres. O Portimonense Sporting Clube e a Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão associaram-se à iniciativa, tendo sido igualmente instaladas caixas-ninho no Estádio Municipal de Portimão e no jardim do estabelecimento de ensino. Nesta primeira fase, foi igualmente instalada uma caixa na Escola Básica e Secundária da Bemposta.

Esta ideia tem como objetivo instalar ninhos artificiais para disponibilizar novos locais destinados à nidificação de aves em contexto urbano. As caixas, de tamanhos diferentes, têm como espécies-alvo os chapins, a poupa e as aves de rapina de média dimensão, como o peneireiro, a coruja-das-torres e o mocho-galego, estando previsto que sejam instaladas em duas fases.

Ao longo de, pelo menos, duas épocas de nidificação, estes ninhos serão acompanhados, quer quanto a eventuais ocupantes, quer na respetiva limpeza e manutenção.

A segunda fase do projeto decorrerá no final de janeiro de 2021, altura em que serão instaladas as restantes caixas-ninho noutros jardins públicos de Portimão, nos jardins-de-infância e em escolas públicas do concelho.

Este projeto visa fixar mais aves em meio urbano, fomentar o contacto direto dos cidadãos com as espécies envolvidas, realçar o papel desempenhado pelas aves no combate a várias pragas biológicas, como a processionária-do-pinheiro, os roedores e os insetos grandes, sensibilizando ao mesmo tempo os agentes locais, nomeadamente a hotelaria, os serviços associados e a comunidade escolar, para a importância da biodiversidade urbana.