Podcast juvenil da Secundária Pinheiro e Rosa é «Sempre a Aviar»

  • Print Icon

Alunos da Secundária Pinheiro e Rosa, em Faro, criam podcast juvenil. Chama-se «Sempre a Aviar» e vai abordar temas que passam pelos distúrbios alimentares, orientação sexual, desporto, viagens, fotografia e até vida além da morte.

No início do próximo período, a Escola Secundária Pinheiro e Rosa, em Faro, vai começar a apresentar semanalmente um podcast criado por três turmas do ensino profissional.

A ideia do «Sempre a Aviar» surgiu pelo professor e chef de cozinha André Pereira Rodrigues.

«Em setembro estava a ouvir um podcast da Rádio Comercial, em que um professor universitário disse que os podcasts cada vez mais chegavam aos jovens e poderiam servir de alertas e abordar temas interessantes. Estou nesta escola há quatro anos. E antes de ser cozinheiro, sou educador. O meu papel não se limita apenas a ensinar uma determinada matéria ou disciplina. Pensei logo que poderia ser um projeto muito interessante para se desenvolver nesta escola», explica ao barlavento.

Após o projeto ser aprovado pelo concelho pedagógico, André Pereira Rodrigues desafiou os docentes responsáveis pelos cursos de Técnico de Juventude, Técnico de Organização de Eventos e Técnico de Gestão e Programação e Sistemas Informáticos para o porem em prática com os seus alunos.

«Não fazia sentido desenvolver o podcast apenas com a minha turma de cozinha. Nada melhor que juntar estes cursos, porque este é um projeto de jovens para jovens e eles têm de perceber que sozinhos não vão a lado nenhum. Nós só crescemos com parcerias e em equipas. A direção da escola apoia-nos e vamos agora fazer alguns investimentos, comprar um microfone e um gravador», adianta.

Além do nome, o podcast já tem um esboço de linha editorial. «Problemáticas e questões que se vivem na adolescência. Há vida além da morte? Precisarei de fazer uma dieta? Vamos falar de temas como pessoas em situação de sem-abrigo ou de pobreza. O que pretendemos é que os alunos dos cursos de técnicos de juventude possam organizar e debater um agenda de temas pertinentes e que lhes interessem. Podem falar de tudo o que quiserem».

Depois, «os colegas do curso de informática farão a edição do som e a publicação dos conteúdos na Internet. Os colegas do curso de organização de eventos ficam encarregues de produzir cartazes e de espalhar a mensagem pelas redes sociais. Além disso, queremos que daqui a alguns meses tenhamos alunos de outros cursos a apresentarem temas que gostavam de ouvir a ser debatidos porque o projeto está aberto a todos», acrescenta o mentor da ideia.

A ideia do «Sempre a Aviar» surgiu pelo professor e chef e de cozinha André Pereira Rodrigues.

Outra ambição é que o «Sempre a Aviar» não fique apenas pelo universo dos alunos. Cada podcast pretende juntar três pessoas à conversa: um jovem, um professor entendido no tema que se está a abordar e um convidado.

«O plano é haver três núcleos. Por exemplo, o tema é desporto, poderá ser convidado um professor de Educação Física, mas se quiserem debater questões existenciais, poderão falar com um professor de filosofia ou psicologia. O segundo núcleo é que haja um aluno que se identifique com a discussão em causa. Alguém que tenha passado pelo problema ou conheça de perto uma determinada realidade e tem conhecimento no assunto. O último núcleo tem a ver com o convidado, alguém de fora da escola, que acrescente uma opinião externa e outro ponto de vista», explicita.

O projeto piloto arranca com 12 voluntários.

«Gostámos todos da sugestão porque é interessante entrar neste mundo dos podcasts e decidimos avançar. Dividimo-nos em seis grupos de dois. Já temos alguns temas definidos e já contactámos alguns convidados», detalha a estudante.

«Vamos ter o Focos, onde vamos falar sobre fotografia; Todos a Bordo, sobre viagens; Na Mente de um Desportista; Universos Paralelos; Eat and Run e Bite me Spice me. Escolhemos estes assuntos porque achamos que são temáticas que nós e os outros jovens gostam e que estão nas nossas mentes», conta ao barlavento Filipa Vicente, de 19 anos, delegada de turma do 3º ano do Curso de Técnico de Juventude.

Apesar de a jovem terminar os seus estudos na Escola Secundária Pinheiro e Rosa no final do ano letivo 2020/2021, gostava que o «Sempre a Aviar» fosse um incentivo para um projeto maior.

«Era bom existir uma rádio da escola. Animava e fazia a diferença um aluno entrar e ouvir música ou um podcast. Acho que seria uma experiência diferente e gostava que este projeto pudesse vir a tornar-se numa rádio escolar», diz.

Em relação ao público-alvo que pode ouvir o podcast, esse pode ser de qualquer parte do país e até internacional.

«Quantos mais ouvintes, melhor. Acho que os jovens vão gostar porque são temas com que nos identificamos e por isso acho que vai haver adesão tanto pelos meus colegas como pelos alunos de outras escolas do país. Acho mesmo que até pode influenciar outros jovens a fazerem o mesmo na sua comunidade escolar porque, vendo bem, é um projeto interessante, onde podemos falar sobre a atualidade e sobre assuntos que chamam a atenção», opina Filipa Vicente.

Já por parte do professor que impulsionou a iniciativa, o objetivo é claro: «debater temas do interesse juvenil e chegar ao máximo de colegas em Portugal e quiçá do mundo. O Sempre a Aviar ficará disponível na Internet, a qualquer hora e em qualquer parte do mundo», afirma André Pereira Rodrigues.

Aos alunos responsáveis pelo podcast, o chef deixa ainda uma mensagem: «este é um projeto piloto. Fiz uma pesquisa e não encontrei nada semelhante. Para já, penso que somos a primeira escola a desenvolver algo do género. Há muitas pessoas que têm podcasts, mas ao nível escolar, penso que somos pioneiros e isso dá-nos muita responsabilidade. Temos de trabalhar bem os temas e criar uma boa conversa curta entre 15 a 20 minutos. O que quero, acima de tudo, é que os alunos sejam muito felizes durante este ano a trabalhar neste projeto. Quero que façam um trabalho incrível, que aprendam muito, que pensem e que coloquem os colegas a pensar também».

Grupo de trabalho.

Por sua vez, para a professora Natália Estrelo, da direção do Curso Técnico de Juventude, o «Sempre a Aviar» vai servir de base a muitas matérias presentes no programa.

«Temos módulos que abordam a planificação, a gestão de projetos e o marketing. Enquanto ferramenta, pode englobar muitos conteúdos e vamos usá-lo para isso mesmo. Os podcasts são cada vez mais utilizados como suportes para liberalizar informação. Têm sido uma opção muito utilizada pelos técnicos de juventude dada a conjuntura atual» da pandemia.

Nas palavras da responsável, «temos de dar oportunidade aos alunos de serem eles a pegar em projetos e a desenvolveram-nos. Para os jovens haverá um resultado concreto, um produto que se pode ouvir, e isso é motivador. As expetativas são boas».

Sobre a hipótese de continuar com o «Sempre a Aviar» nos próximos anos letivos e com outras turmas, a professora Natália Estrelo revela que será sempre uma decisão dos alunos.

«O projeto é deles. Nós somos apenas facilitadores do processo. Se quiserem, vamos continuar. Nós facilitamos e promovemos».

Por fim, Francisco Soares, diretor do Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa, sublinha ao barlavento que «vivemos num tempo onde o próprio tempo é disputado por inúmeras solicitações que nos retiram até a oportunidade de fazer as melhores escolhas em relação à comunicação que consumimos no dia a dia. Há meios diferentes a disputar entre si a nossa atenção para os seus interesses, para valores que pretendem transmitir e para os conteúdos que pretendem vincular. Este é mais um projeto inovador do nosso agrupamento. Aliás, na linha daquilo que temos habituados a comunidade. Com os podcasts conseguimos o privilégio de divulgar ideias, conhecimentos e valores importantes para as nossas vidas. Daí a sua importância».