Museu de Portimão expõe «Somos todas as Cores» no 13º aniversário

  • Print Icon

Exposição de Hein Semke estará patente até novembro.

A mostra «Somos todas as Cores», do ceramista e escultor alemão Hein Semke, abrirá a 15 de maio o novo ciclo de exposições temporárias do Museu de Portimão, assinalando o 13º aniversário deste equipamento cultural.

A exposição integra o programa da Semana da Interculturalidade, que decorre entre 21 e 29 de maio, e visa sensibilizar os cidadãos para a importância da construção de uma sociedade mais justa, igualitária e intercultural, através de um conjunto de trabalhos de pintura, desenho, monotipia, escultura e xilogravura de uma enorme diversidade cromática, realizados pelo artista em Portugal, entre 1963 e 1976.

As peças foram selecionadas de entre a coleção de 1672 obras originais de Hein Semke (1899-1995), resultantes da generosa doação de Teresa Balté ao Museu de Portimão.

A multifacetada, experimental e colorida forma de tratar o rosto, o corpo e a figura humana, em especial a feminina, são a temática fulcral desta nova mostra, com curadoria de José Gameiro, que dá igualmente a conhecer a criativa espontaneidade e capacidade de expressão, o humor, o prazer de experimentar e desafiar que acompanha toda a obra de Hein Semke.

Por um lado, a visão do escultor de formas fechadas, essenciais e austeras, que resume a figura humana no volume do torso ou se centra na cabeça ou na máscara e que, nos trabalhos sobre tela ou papel, recusa a ilusão da perspetiva.

O artista cria volumes mínimos de camadas de tinta ao sobreimprimir monotipias, enquanto na xilogravura recupera a tridimensionalidade no talhar das madeiras, por vezes transformadas em relevos autónomos, como no caso das matrizes da série «Parlamento».

Através das suas expressões mais líricas, místicas ou de crítica, descobre-se uma parcela de Hein Semke, para quem a arte era o caminho para o conhecimento de si próprio e dos outros, no qual nós somos um todo único nesse universo de múltiplas cores, tal como refere no excerto do seu poema escrito em 1948: «e no fim, contudo, por mais variadas que sejam as cores, o anel fecha-se num círculo eterno no seu carácter único».

A exposição «Somos todas as Cores» estará patente até 14 de novembro e pode ser visitada à terça-feira, das 14h30 às 18h00, e de quarta-feira a domingo, das 10h00 às 18h00. Ficará igualmente disponível online, no site do Museu de Portimão.