Município de Olhão e CPCJ assinalaram Dia dos Direitos das Crianças

  • Print Icon

Cerca de 400 alunos das escolas de Olhão assistiram a um espetáculo de dança subordinado ao tema dos Direitos das Crianças.

Cerca de 400 alunos do 8.º ano das escolas de todo o concelho assistiram na de quarta-feira, 16 de novembro, no Auditório Municipal do Olhão, a um espetáculo de dança subordinado ao tema dos direitos da criança.

A iniciativa conjunta do município e da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Olhão inseriu-se nas comemorações do Dia Internacional dos Direitos das Crianças, que se assinala a 20 de novembro, e que coincide com o 33º aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança.

O espetáculo, intitulado «Todo o piso será palco» foi uma produção da escola de dança Outsiders e teve um caráter interativo, incluindo mensagens e coreografias alusivas ao tema.

Para Elsa Parreira, vereadora com os pelouros da Educação e da Ação Social, «esta foi uma oportunidade para sensibilizarmos as crianças e jovens para os seus direitos e, acima de tudo, para tentarmos prevenir comportamentos de risco destas mesmas crianças e jovens, que serão os futuros pais e cidadãos adultos da nossa comunidade».

Na ocasião, foi, também, inaugurada uma exposição, que integra os trabalhos resultantes de um projeto intergeracional promovido pela ACASO, que juntou as várias valências da instituição, de várias outras entidades da Rede Social e alunos do 1.º Ciclo, em redor da elaboração e decoração de bonecos, sempre com os direitos das crianças como fio condutor.

Em 20 de Novembro de 1989, as Nações Unidas adotaram por unanimidade a Convenção sobre os Direitos da Criança, documento que enuncia um amplo conjunto de direitos fundamentais – os direitos civis e políticos e, também, os direitos económicos, sociais e culturais – de todas as crianças, bem como as respetivas disposições para que sejam aplicados.

É o instrumento de direitos humanos mais ratificado da história universal: 196 países, apenas com a exceção dos Estados Unidos da América, ratificaram o documento.