Loulé não esqueceu o Dia Internacional da Proteção Civil

  • Print Icon

Efeméride celebrou-se na segunda-feira, dia 1 de março.

Apesar do contexto pandémico e de confinamento que vigora em todo o país, a Câmara Municipal de Loulé fez questão de assinalar simbolicamente a data para dar a conhecer parte do trabalho que tem sido realizado nesta área, sublinhando o papel importante que a proteção civil tem tido junto da comunidade, sobretudo no último ano.

As redes sociais voltaram a ser utilizadas para comunicar com os munícipes e, neste caso, prestar uma homenagem aos vários agentes e colaboradores, numa altura em que, mais do que nunca, a essência da proteção civil ganhou uma maior relevância.

Durante este dia, através do Facebook do Serviço Municipal de Proteção Civil, foram apresentadas imagens com alguns dos projetos da autarquia ao nível do planeamento, coordenação e execução das políticas de emergência e de proteção civil, designadamente na sensibilização, prevenção e na resposta a situações de crise e catástrofes e na proteção e socorro da população.

Uma dessas áreas de atuação tem sido precisamente direcionada para a atual situação de crise sanitária. De há um ano a esta parte, o foco do trabalho da Proteção Civil Municipal tem estado na COVID-19 e as ações de sensibilização e informação da comunidade sobre a doença, bem como as regras de mitigação da propagação do vírus, seja em escolas, nos lares, nas juntas de freguesia ou noutros espaços públicos como o Mercado Municipal, têm sido uma das iniciativas mais regulares.

Também em termos de apoio logístico, a Proteção Civil Municipal tem sido fundamental, seja no apoio a instalações como o Drive-Thru de testagem no Estádio Algarve, as Zonas de Apoio à População (ZAP) que nas diversas vagas da doença foram criadas para responder às necessidades, ou na base de apoio logístico COVID-19 ou na Unidade de Apoio à Saúde Pública, criada recentemente na biblioteca Sophia de Mello Breyner Andresen.

Há ainda a referir o apoio dado, em colaboração com os Bombeiro Municipais, a outras entidades, como a Cruz Vermelha e a Guarda Nacional Republicana, na monitorização dos surtos identificados no concelho, bem como na gestão do stock de material de proteção individual adquirido pela autarquia.

A defesa da floresta contra os incêndios tem constituído outra das missões do Serviço Municipal de Proteção Civil de Loulé, que ao longo de todo o ano tem um trabalho nesta área, «naturalmente mais intenso no verão».

As ações de prevenção junto dos habitantes das freguesias de risco (Alte, Ameixial, Salir e União de Freguesias de Querença, Tôr e Benafim), a entrega de kits de primeira intervenção às associações de caçadores, a instalação de um posto de comando no Cerro dos Negros (Salir), os trabalhos de limpeza nas freguesias do interior, ao abrigo do protocolo celebrado com o Exército Português, a gestão dos equipamentos destroçadores de sobrantes ou os programas «Aldeia Segura» e «Vigilância Florestal – Voluntariado Jovem» são algumas das ações realizadas em matéria de incêndios florestais.

Este Serviço Municipal tem promovido, ao longo dos anos, programas comemorativos em efemérides como este Dia Mundial da Proteção Civil, com a realização, por exemplo, de simulacros de sismos, «sempre com o intuito de informar e sensibilizar a população para situações de risco e eventuais catástrofes».

O autarca de Loulé, Vítor Aleixo, realça que «uma comunidade informada é uma comunidade consciente dos riscos que existem e que, naturalmente, estará mais preparada para os enfrentar. Essa é, sem dúvida, uma das nossas prioridades em matéria de Proteção Civil. Mas nesta data gostaria de agradecer particularmente a todas as mulheres e homens que, durante este ano difícil de luta contra um vírus que não tem dado tréguas, têm sido incansáveis no cumprimento da sua missão que é, de facto, proteger a sociedade civil».