Loulé celebrou o Dia da Restauração da Independência

  • Print Icon

Historiadores recordaram como decorreu todo o processo em Loulé.

Loulé retomou na última quarta-feira, dia 1 de dezembro, a tradição de celebrar a Restauração da Independência e, em resposta ao convite da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, a autarquia levou a cabo um programa comemorativo através do qual foi possível recordar como se desenrolou este acontecimento histórico na então vila de Loulé.

Pela voz dos historiadores Luísa Martins e Ricardo Louro e a partir de dois elementos patrimoniais – a Ata de Vereação de 5 de dezembro de 1640 e a lápide evocativa do «voto de ação de graças» de D. João IV –, partiu-se à descoberta do processo que levou à participação da comunidade local nas Cortes de D. João IV.

Após o momento simbólico do hastear da Bandeira, junto à Muralha do Castelo, ouviu-se o Hino Nacional, mas também o Hino da Restauração, interpretados pela Banda Filarmónica Artistas de Minerva.

Já em frente à Ermida de Nossa Senhora da Conceição, o autarca Vítor Aleixo realçou a importância desta data para a identidade portuguesa: «se não fosse a ação daqueles portugueses, naquela data, toda a história teria sido diferente. Felizmente hoje estamos aqui, um povo orgulhoso das suas tradições, da sua Língua, da sua Cultura, da sua História, livre e independente, e isso é um bem extraordinário».

Mas se este foi um dia de recordar e homenagear aqueles que, a partir dos Paços da Ribeira, em Lisboa, estiveram à frente do golpe palaciano que pôs fim aos 60 anos de domínio espanhol, foi igualmente um momento de trazer à memória os governantes locais de então, «até porque Loulé soube dar resposta imediata ao que era solicitado e às exigências que vinham já de Lisboa», como deu nota a historiadora Luísa Martins.

Graças à Ata de Vereação datada de 5 de dezembro de 1640, é possível testemunhar como Loulé viveu esses dias uma vez que, como explicou a investigadora, o 1 de dezembro de 1640 em Loulé foi um dia normal «do quotidiano». «Os acontecimentos decorriam em Lisboa mas, a pouco a pouco, a notícia vai chegando aos municípios do país, nomeadamente aqui a Loulé».

E é precisamente através dessa Ata que é formalizada neste território a Restauração da Independência, mas é igualmente nesse documento que está registado todo o processo que deu origem à eleição dos representantes locais nas Cortes de Lisboa, que viriam a ser celebradas por D. João IV a 20 de janeiro de 1641 (e nos dias subsequentes).

O historiador Ricardo Louro trouxe a este programa comemorativo outro testemunho desse período da História de Portugal e que constitui «um monumento histórico de uma relevância muito grande».

Trata-se da lápide que se encontra na fachada da Ermida de Nossa Senhora da Conceição e que se baseia numa previsão régia de D. João IV, datada de 25 de março de 1646, que corresponde ao momento em que Nossa Senhora da Conceição, a «Imaculada Conceição», se torna Padroeira de Portugal.

«Este é basicamente o texto que o rei comunica às populações das vilas e das cidades, este voto, esta consagração, esta elevação de Nossa Senhora da Conceição a Padroeira de Portugal. Este é um momento muito importante porque corresponde à afirmação política da nova dinastia e do Rei D. João IV», enfatizou o historiador.

Apesar de lápides como esta terem sido colocadas nas portas de todas as cidades e vilas portuguesas nessa altura, a grande maioria não resistiu aos tempos e a de Loulé é das poucas que se manteve intacta, sendo ainda visível nela as ameias e o loureiro, símbolos da autarquia, constituindo assim mais um marco histórico importante presente no património histórico de Loulé.

«Cabe-nos a nós, quase quatro séculos depois, aproveitar, com alguma gratidão, a independência que nos foi legada nessa madrugada de 1640 e que nos permitiu sonhar com a liberdade», concluiu o presidente da Câmara de Loulé.