Lagos aprova voto de pesar pelo falecimento de João Cutileiro

  • Print Icon

O executivo municipal de Lagos aprovou ontem por unanimidade, em Reunião de Câmara, um voto de pesar em memória de João Cutileiro, artista que deixou a sua marca inconfundível no espaço público da cidade de Lagos.

O escultor foi lembrado como uma «Figura marcante do panorama artístico português (…) que viveu na nossa cidade nas décadas de 70 e 80, sendo que o seu contributo para a arte pública ainda hoje dignificam e engrandecem Lagos.

Quem se passeia pelas nossas ruas não fica indiferente à irreverência de obras como a «Vénus Deitada», na Rua Portas de Portugal ou o Tríptico alusivo a Alcácer Quibir e «Lagos e o Mar», localizados no Jardim da Constituição.

Mas é a incontornável estátua d’El Rei D. Sebastião situada na Praça Gil Eanes que marca fortemente a presença deste artista no nosso concelho, verdadeiro símbolo de Lagos que desafiou o Estado Novo e os convencionalismos da escultura em Portugal».

João Cutileiro faleceu no dia 5 de janeiro, na sequência de problemas respiratórios, mas deixa a sua obra: irreverente, poderosa e eterna. Uma obra que – segundo informou Hugo Pereira, presidente da autarquia – será pretexto de um conjunto de iniciativas de âmbito cultural a promover pelo município no decurso do corrente ano.

A Câmara Municipal de Lagos endereçou igualmente à família do escultor os mais sinceros e sentidos pêsames.