Lagoa terá resposta para pessoas em condição de sem-abrigo

  • Print Icon

Lagoa irá receber uma resposta social para pessoas em condição de sem-abrigo, através do protocolo de cooperação com a IPSS «O Companheiro».

O protocolo de colaboração foi celebrado em dezembro, com o Instituto de Segurança Social para implementar esta resposta em oito concelhos do Algarve.

O concelho de Lagoa foi contemplado com 10 camas disponibilizadas no âmbito da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo 2017-2023, uma resposta alargada a toda a região do Algarve que, no total, disponibilizará de 123 camas.

Trata-se de um dos eixos da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo 2017-2023, que envolve a celebração de protocolos de colaboração entre a Segurança Social e as instituições sociais, num modelo que é operacionalizado por instituições sociais, com apoio das autarquias e financiamento da Segurança Social, contemplando ainda o acompanhamento de técnicos, que tem como grande objetivo tirar as pessoas da rua e dar-lhes a oportunidade de seguir um projeto alternativo de vida.

A Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo 2017-2023 (ENIPSSA 2017-2023), compreende três eixos de intervenção, que visam a promoção do conhecimento do fenómeno das pessoas em situação de sem-abrigo, informação, sensibilização e educação, o reforço de uma intervenção promotora da integração das pessoas em situação de sem-abrigo, bem como a coordenação, monitorização e avaliação da ENIPSSA 2017-2023.

Os primeiros protocolos para oferecer esta resposta à região do Algarve foram celebrados há cerca de um ano e têm alcançado um grande sucesso com a ocupação de mais de 80 por cento da capacidade para receber estes casos.

Com mais este importante passo na integração social, passam a ser oito os concelhos do Algarve que garantem a existência desta resposta social: Albufeira, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Portimão, Tavira e Vila Real de Santo António.

«Felizmente no nosso concelho não temos muitas pessoas em condição de sem-abrigo, mas, ainda assim, é importante termos esta resposta para os casos que estão identificados e outros que podem vir a surgir. É sem dúvida um passo importante para Lagoa – Cidade Inclusiva, que trabalha todos os dias para não deixar nenhum lagoense para trás», considera Luís Encarnação, presidente da Câmara Municipal de Lagoa.