José Carlos Barros teve «Conversas Soltas» em Castro Marim

  • Print Icon

Rubrica «Conversas Soltas num Palco Improvável».

O Revelim de St. António, em Castro Marim, recebeu na passada sexta-feira, dia 3 de junho, o autor José Carlos Barros para uma sessão de «Conversas Soltas num Palco Improvável».

O escritor, que conquistou o Prémio LeYa 2021 com o romance «As Pessoas Invisíveis», fez-se acompanhar de alguns amigos que o seguem na vida e na viagem que inspirou a obra apresentada: Luís Gomes, Carlos Barros e Carlos Lança.

Entre os meandros de uma história que revista um dos momentos mais trágicos da história colonial portuguesa, ficou o mote para a reflexão sobre uma profunda incapacidade do poder em olhar para «as pessoas invisíveis».

Sublinhada ficou também a feliz coincidência deste ser o dia em que a Assembleia da República aprovou por unanimidade um voto de saudação pelo centenário do nascimento do arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles (que morreu em 2020 e que inspirou José Carlos Barros no seu percurso profissional, arquiteto paisagista de formação) e o mesmo em que reconheceu o Prémio LeYa em causa.

Num momento descontraído, de encontro e de partilha, trouxe-se o livro à narrativa do quotidiano, à rua e ao espaço informal, uma política que tem sido o apanágio da Biblioteca Municipal de Castro Marim.

A realçar ainda os apontamentos musicais trazidos por colaboradores do município, «um valioso estímulo para este que foi o primeiro sunset literário promovido pela autarquia, que pretende agora tornar a iniciativa regular», afirmam os responsáveis municipais.

José Carlos Barros nasceu em Boticas, em 1963, mas é hoje residente em Cacela. Foi vice-presidente na Câmara Municipal de Vila Real de Santo António e ainda deputado na Assembleia da República, entre 2015 e 2019.

É autor de vários livros de poesia, tendo já conquistado por duas vezes o Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama, e de dois romances anteriores – «O Prazer e o Tédio» e «Um Amigo para o Inverno».