IKEA investe €6 milhões em Portugal com preços mais baixos

  • Print Icon

Em entrevista ao «barlavento», o gerente da loja IKEA de Loulé explica o porquê deste investimento.

A grande novidade para este ano na IKEA «é que decidimos fazer um investimento na ordem dos seis milhões de euros na redução de preços dos nossos produtos e meio milhão de euros nos serviços», revela Abdelhak Ayadi, ou «Arak», alcunha como é conhecido o diretor responsável pelas operações da loja do grupo sueco no Algarve.

«Para se perceber a IKEA é preciso entender também a Suécia enquanto país e sociedade. Uma coisa que é muito importante é a igualdade entre as pessoas. É algo muito forte. Portanto, queremos dar oportunidade a todos de ter uma casa confortável a um preço acessível, através do design democrático. Acreditamos que temos uma oferta que é muito importante para o mercado português. Mas chegámos à conclusão que talvez isso não seja suficiente. Sabemos que Portugal tem uma realidade diferente em comparação ao resto da Europa».

Isto é, «o poder de compra no país é um pouco mais baixo em comparação à média europeia, e por isso o mercado do mobiliário interior não está tão desenvolvido. Achamos que as pessoas precisam de um pouco mais de apoio e ajuda a criar uma casa confortável. Devido a estas especificidades resolvemos baixar os preços. Os custos de produção mantêm-se, por isso, para tornar os artigos mais acessíveis aos clientes, temos de o fazer a partir dos nossos próprios recursos», explica.

«Para já, avançamos com esta medida em 130 produtos, que já eram bastante populares. Por exemplo, aqui no Algarve temos muita procura por sofás-cama», exemplifica. Das cinco lojas em Portugal, a de Lisboa lidera as vendas, em parte devido ao tamanho do mercado que é, pelo menos, seis vezes maior que o Algarve. «À nossa medida, estamos muito satisfeitos com o desempenho da loja, mas acreditamos que temos espaço para crescer».

O responsável nota que este investimento não tem prazo. «Não. É para ficar. Começou em meados de agosto, com o lançamento do novo catálogo e é para ficar. Não trabalhamos com campanhas ou descontos. Às vezes temos de o fazer em termos de produto, mas é esporádico. Trabalhamos sim com preços baixos todos os dias», garante o gerente.

Questionado acerca das novas tendências, «Arak» diz que há uma procura pela «conveniência online, que tem de ser cada vez mais integrado com as compras em loja. Um exemplo é o quiosque que lançámos chamado click and go. É para quem sabe o que quer e não deseja perder tempo. Basta encomendar e levantar os artigos na caixa. Enviamos um SMS quando está tudo pronto para recolha. Ou então, entregamos em casa», explica. O serviço está disponível desde junho com «grande sucesso».

Para dar visibilidade à nova política de preços, a loja de Loulé mudou também a exposição «num forma mais relevante e interessante para os nossos clientes. Montámos três apartamentos diferentes para mostrar o melhor preço que temos para oferecer. É possível equipar um T2 de 55 metros quadrados por menos de 3000 euros. Posso dizer que estou na IKEA há 28 anos e eu próprio fiquei surpreendido», diz.

Ainda em relação ao futuro do mobiliário, «uma área que será cada vez mais forte é a domótica (connected home). Estamos a dar alguns primeiros passos, com a gama symfonisk, que é um candeeiro, com coluna integrada controlável por wifi. Acreditamos que será uma área muito forte e será um desafio para a desenvolver de forma acessível. A preocupação pela saúde, pelo ambiente e pela sustentabilidade, temos visto que são interesses que têm vindo a aumentar nos últimos três anos. Tem crescido muito nos clientes portugueses».

Os recursos humanos é uma matéria à qual «Arak» é sensível.

Em Loulé «temos quase 250 colaboradores, incluindo os espaços de restauração, além das empresas que nos prestam serviços nas limpezas, segurança e transportes, entre outros. Estamos muito orgulhosos do nosso staff. O mercado é muito difícil no que toca ao recrutamento, devido à sazonalidade do Algarve que não existe noutras partes do país, mas posso dizer que os nossos trabalhadores estão muito empenhados para com a empresa. Temos um inquérito interno anual, para conhecer o grau de satisfação e de motivação, e temos um resultado de topo», revela.

«Fizemos um inquérito aos nossos clientes, sobre se sentiram a diferença na loja, desde que colocámos mais destaque nos nossos preços mais baixos e o resultado é que 82 por cento dizem que sim», conclui. Em novembro, a pesquisa será sobre o reforço da sustentabilidade, política também implementada na exposição de Loulé. Por fim, «Arak» garante haverá surpresas no Natal.