Flixbus chega a Armação de Pera, Portimão e Lagos

  • Print Icon

A alemã FlixBus, o maior operador europeu de transporte expresso de passageiros, acaba de expandir a sua rede doméstica em Portugal ligando Lisboa – Oriente, a Armação de Pera, Portimão e Lagos.

A nova linha arranca no próximo dia 29 de Julho, e os preços para o percurso Lisboa – Lagos começam nos 5,99 euros, variando em função da data da reserva.

A operar em Portugal desde 2019, a FlixBus veio trazer ao mercado português uma nova forma de viajar, mais confortável, económica e sustentável.

Os autocarros que operam as linhas da FlixBus são novos, mais cómodos, e com espaço extra para as pernas.

Possuem acesso gratuito a WiFi e um serviço de entretenimento a bordo, e todos os autocarros estão equipados com tomadas para PC, telemóveis e tablets.

Os autocarros cumprem ainda com a norma Euro VI, a mais exigente da Europa em termos de emissões de CO2, sendo também os mais eficientes e sustentáveis do mercado.

Além de estarem disponíveis online, e na app (disponível para IOS e Android), os bilhetes podem ser adquiridos localmente, nos vários pontos de em Lagos, Portimão, e Armação de Pera. Podem ainda ser comprados diretamente ao motorista, no próprio autocarro.

Em Lagos e em Portimão, a paragem é no Terminal Rodoviário, e em Armação, a paragem da FlixBus é na Via Dorsal de Armação de Pera, junto ao Centro de Saúde.

Os preços dos bilhetes FlixBus variam de acordo com a antecipação da compra, um pouco à semelhança do que acontece com as companhias aéreas, pelo que, quanto mais cedo se comprarem os bilhetes, mais barata é a viagem.

A título de exemplo, o preço de uma viagem entre Lisboa e Lagos começa nos 5,99 euros.

Portugal tem cada vez mais autocarros verdes na estrada, e é um mercado prioritário para a empresa alemã

A rede da FlixBus em Portugal cobre atualmente mais de 50 destinos, com linhas nacionais e internacionais a ligarem cidades como Lisboa, Porto, Braga e Coimbra a países como Espanha, França, Alemanha, Luxemburgo, Suíça e Bélgica, entre outros.

Com um modelo de negócio único e tecnologicamente inovador, a a empresa alemã trabalha em parceria com operadores locais, num modelo de partilha de receita.

Apesar do último ano ter particularmente difícil para as empresas de transporte de passageiros, que se viram forçadas a parar a sua atividade, a FlixBus continua a apostar e a investir no desenvolvimento da rede doméstica e internacional em Portugal.

«Tem sido um ano difícil, mas Portugal foi e continua a ser a grande aposta da FlixBus em 2021. Continuamos a investir na expansão da rede doméstica, em conjunto com os nossos parceiros locais, e a reforçar a rede internacional, ligando cada vez mais cidades portuguesas a pequenas e grandes cidades europeias», afirma Pablo Pastega, diretor-geral da FlixBus em Portugal e Espanha.

O funcionamento das linhas regulares de autocarros é possível graças às rigorosas medidas de higiene estabelecidas pela empresa, sendo que a FlixBus vai além das medidas indicadas pelas autoridades de saúde, cumprindo os mais elevados padrões de higiene e segurança antes e durante a viagem.

Além do uso obrigatório de máscara e a realização do check-in sem contacto, os autocarros são regularmente desinfetados, e, em 2020, foram utilizados mais de 162.000 litros de desinfetante para este fim.

Transporte de passageiros em autocarros é um serviço público, sendo essencial e seguro

«Em Portugal, como em outros países, os autocarros de médio e longo curso são um meio de transporte essencial para muitas pessoas, mesmo em tempo de pandemia. Prestamos um serviço público, essencial e seguro, garantindo desde o primeiro momento a segurança daqueles que viajam com a FlixBus», conclui Pablo Pastega, o responsável da FlixBus em Portugal e Espanha.

Em Portugal, e apesar das restrições, a FlixBus manteve a sua operação regular durante a pandemia, com autocarros na estrada a assegurar a sua rede internacional, que liga as principais cidades portuguesas à Europa, como as linhas expresso nacionais, lançada no Verão de 2020 em parceria empresas locais.