Enfermeiras especialistas assinalaram Dia Mundial da Prevenção do Suicídio

  • Print Icon

«A tua vida importa, pede ajuda!» foi o lema de uma campanha de proximidade que teve lugar em Faro por três enfermeiras especialistas, no Dia Mundial da Prevenção do Suicídio.

Arlete Lourenço, Maria João Silva, enfermeiras especialistas em saúde mental e psiquiátrica, em conjunto com a enfermeira Alda Pereira, aluna do mestrado de enfermagem nesta área, em cooperação com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), imaginaram, planearam e implementaram uma campanha de prevenção para o suicídio, no sábado, dia 10 de setembro, em Faro.

Durante o período da manhã, houve uma atividade junto da população, no Mercado Municipal de Faro, onde foi colocada uma instalação designada de «Árvore da Esperança». Houve música ao vivo interpretada por dois jovens (piano e clarinete), distribuição de panfletos e cartões com informação sobre a promoção de saúde mental e prevenção do suicídio, incluindo contactos telefónicos para pedidos de ajuda.

«Realizámos ainda rastreios de sintomatologia ansiogénica e depressiva, com os respetivos encaminhamentos (sempre que necessário). Esta campanha abrangeu cerca de 500 pessoas e foram feitos 50 rastreios», contabilizaram as enfermeiras.

Durante o período da tarde, no Club Farense, «efetuámos uma metodologia ativa de participação colaborativa denominada por World Café, com a participação de cerca de 30 pessoas, de diversas idades, vivências, profissões e esferas sociais. Isto porque a transversalidade do problema do suicídio obriga a que todos façamos parte da solução. Daqui emergiram ideias, propostas e contributos para intervenções futuras. Entre os resultados deste grupo de trabalho, realçamos a necessidade de se organizar voluntariado, intervenção precoce, aumentar o número de profissionais e constituir equipas interdisciplinares, dar formação adequada aos jovens, tudo na perspectiva da construção de respostas alternativas. As propostas serão enviadas para as entidades com responsabilidade na área da saúde, decisores políticos, autarquias, escolas», entre outras forças vivas da sociedade civil.

«O suicídio é um grave problema de saúde pública, afeta pessoas de todas as idades, géneros, posição social, culturas e etnias. A nível mundial, a evidência científica demonstra que a cada 40 segundos morre uma pessoa vítima de suicídio e que, para um suicídio, ocorrem cerca de 20 tentativas. Esta é uma causa de morte prematura, evitável com possibilidade de intervenção para prevenir», acreditam as profissionais que deixam um agradecimento a todas as pessoas e entidades envolvidas. Sobretudo à população farense, «por permitir a nossa aproximação, pela participação e partilha de experiências tão sensíveis como as questões relacionadas com a vida e a morte. A esperança, o acreditar e a vontade de agir prevalece. Jamais deixaremos de relembrar: A tua vida importa, pede ajuda!».