CVA vai poder certificar o vinho espumante do Algarve

  • Print Icon

Comissão Vitivinícola do Algarve (CVA) conquista a extensão da acreditação para o produto vinho espumante IG Algarve.

A Comissão Vitivinícola do Algarve (CVA) informa que, no dia 1 de setembro, foi oficialmente concedida pelo Instituto Português de Acreditação (IPAC) a extensão da acreditação para o produto vinho espumante IG Algarve.

O processo para a extensão teve início em fevereiro de 2020, altura em que foi realizado o pedido ao Instituto Português de Acreditação (IPAC) e foi todo realizado em período de pandemia de COVID-19.

Ao longo desse ano, a CVA tem vindo a consolidar procedimentos e em dezembro de 2020 surgiu o primeiro espumante certificado: um espumante com a casta autóctone do Algarve, a Negra Mole.

Deste modo, a conquista da concessão oficial da extensão pelo IPAC concretizou-se no início de setembro deste ano tendo vindo sublinhar a vontade de concretizar em tempos difíceis e assumindo se como um importante marco para a região, que vê assim a possibilidade de ter um produto vínico bastante importante no seu portfólio de certificação.

Os vinhos espumantes no Algarve já são produzidos há década e meia.

Neste momento, o Algarve já tem seis produtores com processos de certificação de espumante em curso ou finalizado: Quinta João Clara, Artemis, Quinta dos Santos, Quinta do Barranco Longo Morgado do Quintão e Adega do Cantor. Um número que a CVA perspetiva duplicar no próximo ano.

As castas que até ao momento têm sido mais utilizadas na produção de espumantes certificados na região têm sido a Negra Mole, casta autóctone do Algarve, e o Arinto.

No total, perto de 17 mil litros de espumante da região estão atualmente certificados como IG Algarve.

A Comissão Vitivinícola do Algarve (CVA) é entidade acreditada desde 2012 para a certificação dos produtos vitivinícolas com Denominação de Origem Lagos, Portimão, Lagoa e Tavira e Indicação Geográfica Algarve.

Tem registado, ao longo dos últimos anos, uma evolução bastante positiva ao nível do aumento do número de produtores, área de vinha, produção e qualidade dos vinhos.