COVID-19: Fazer ou não Erasmus em plena pandemia, eis a questão

  • Print Icon

Em plena pandemia de COVID-19, muitos universitários enfrentam o dilema entre fazer ou não Erasmus, e se muitos abdicaram da experiência, outros fizeram as malas na mesma para passar um semestre fora.

No primeiro semestre deste ano letivo, houve menos cinco mil alunos portugueses a estudar em universidades estrangeiras no âmbito do programa Erasmus+, o equivalente a uma quebra de 68 por cento.

Entre o primeiro e o segundo semestres, só 2.200 universitários é que não deixaram de passar seis meses fora apesar da pandemia, de acordo com os dados provisórios registados pelas instituições e enviados à Lusa pela Agência Nacional Erasmus+.

Bianca Tavares não entra nesse grupo. A estudante de Farmácia ainda chegou a estar inscrita para ir para a Faculdade de Lyon, em França, mas perante o agravamento da pandemia a instituição deixou-a sem reposta.

«Mas depois comecei a pensar se, nesta situação e com tudo o que se estava a passar, deveria mesmo ir», contou à Lusa, admitindo que, se tivesse recebido luz verde da faculdade francesa, provavelmente teria acabado por desistir da experiência.

Do outro lado do dilema, Rita Pequito, já a fazer um mestrado, não deixou que a pandemia lhe roubasse a oportunidade de estudar durante um semestre numa universidade estrangeira e em outubro fez as malas e rumou a Halle, na Alemanha.

«Se não fosse agora, acho que já não ia ter outra oportunidade de o fazer, por isso, decidi arriscar», contou a estudante de Design de Comunicação, sublinhando que nunca lhe passou pela cabeça desistir.

Em plena pandemia de COVID-19, Rita compreendia que a experiência de Erasmus que a esperava não seria como a de milhares de estudantes que fizeram o programa em anos anteriores. E não foi.

No primeiro mês, a estudante portuguesa conseguiu «fazer uma vida relativamente normal». Viajou dentro da Alemanha, conheceu outras cidades e pessoas, e apesar de a faculdade ter adotado o ensino a distância pouco depois do início do semestre, continuava a poder ir à biblioteca e às aulas práticas presenciais.

«Entretanto, no fim de novembro a pandemia começou a piorar. A restauração, a cultura e a maioria dos espaços públicos começaram todos a fechar e, por isso, decidi voltar para Portugal no dia 10 de dezembro», recordou.

O semestre só terminou este mês, mas a situação epidemiológica continuou a piorar e, por isso, Rita já não voltou a Halle e terminou o Erasmus em casa.

Joana Azeiteiro também não teve medo da pandemia, mas a COVID-19 meteu-se no caminho entre a aluna e Economia Internacional e Estudos Europeus e um primeiro semestre em Varsóvia, na Polónia.

Quando a faculdade para onde ia anunciou que as aulas seriam todas ‘online’, Joana soube que, por isso, deixaria de ter direito à bolsa e a única coisa que lhe amparou o desgosto foi o facto de já ter feito Erasmus durante a licenciatura.

Além da mobilidade para fins de aprendizagem, o Erasmus+ tem também um programa de estágios para estudantes, e foi nesse âmbito que Luana Millecamps foi para a ilha grega de Lipsi, para trabalhar no Archipelagos – Instituto de Conservação Marinha.

Durante cerca de quatro meses, a estudante de Biologia Ambiental «fugiu» da pandemia em Portugal e refugiou-se numa ilha onde não se registavam casos de infeção pelo SARS-Cov-2.

«Entre setembro e novembro foi tudo bastante semelhante à vida normal. Os locais também estavam muito despreocupados porque não havia casos», relata, recordando que só a partir de dezembro, quando a Grécia decretou medidas de confinamento para todo o país, é que sentiu mais restrições.

«Mesmo assim não foi muito diferente do que seria sem a pandemia, tive bastante sorte», sublinhou, explicando que, apesar do confinamento, as únicas atividades que deixaram de poder fazer foram as saídas de barco.