Bombeiros Cruz Lusa têm nova Equipa de Intervenção Permanente

  • Print Icon

Corpo de Bombeiros «Cruz Lusa» de Faro tem nova Equipa de Intervenção Permanente, «uma aspiração antiga» da corporação.

O Comandante Operacional Distrital da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Richard Marques e Paulo Alentejano, representante da presidência da Câmara Municipal de Faro, deslocaram-se na manhã de segunda-feira, dia 6 de dezembro, ao quartel dos Bombeiros de Faro – Cruz Lusa, onde foram recebidos pelo presidente da Direção, Steven Sousa Piedade e pelo comandante em suplência, Hugo Pinto.

A visita teve como objetivo assinalar a instalação da Equipa de Intervenção Permanente (EIP) neste Corpo de Bombeiros mantido pela Associação Humanitária de Bombeiros de Faro – Cruz Lusa. Os responsáveis cumprimentaram os novos profissionais que, após o processo de recrutamento e seleção, ampliam a força mínima de intervenção do Corpo de Bombeiros.

Segundo Steven Piedade, «está conseguido um marco histórico na vida da Instituição no momento em que se aproxima do seu centenário (janeiro de 2023), que vê assim integrados os primeiros Bombeiros profissionais recrutados e selecionados segundo os critérios definidos pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil para responder, em exclusivo, a missões operacionais no âmbito do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS)».

A entrega do novo distintivo simboliza o início de funções desta unidade operacional, que era «uma aspiração antiga» dos responsáveis da Associação e que exigiu no último mês um esforço coletivo entre o Comando Regional de Emergência e Proteção Civil do Algarve, da ANEPC, com a direção e a estrutura operacional do Corpo de Bombeiros da Associação Humanitária de Bombeiros de Faro – Cruz Lusa para não perder esta oportunidade.

Os custos inerentes são assumidos equitativamente pelo município de Faro e pela ANEPC, no âmbito de um quadro de cooperação com a Associação, ficando cobertos os valores mensais referentes às remunerações, regime de segurança social, seguros de acidentes de trabalho e taxa de higiene e segurança no trabalho.

Estes operacionais terão que manter as condições físicas e técnicas através de treino diário, sendo avaliados regularmente em provas específicas para aferir as suas competências. Agora, «serão um reforço importante no dispositivo municipal de resposta, bem como no apoio à região do Algarve».