Conferência dá a conhecer as finanças de Loulé na idade média

  • Print Icon

Vagas são limitadas!

O Arquivo Municipal de Loulé Professor Joaquim Romero Magalhães recebe, no próximo dia 16 de outubro, sábado, às 15h00, mais uma sessão de «LOULÉ na linha do tempo», desta vez com a participação de Gonçalo Silva, que irá apresentar o tema «Descobrir uma vila medieval a partir das suas finanças: as potencialidades dos livros de receita e despesa de Loulé (1375-1517)».

Nos séculos XIV e XV, em Portugal, o corpo de oficiais concelhios que governava os núcleos urbanos incluía um procurador, a quem cabia representar o concelho nos pleitos judiciais e perante outros poderes, como o da Coroa.

O procurador era também responsável pela gestão contabilística do concelho, pela arrecadação das receitas camarárias e pela execução financeira das decisões da vereação.

Nesse sentido, o homem que desempenhava o cargo devia manter um registo atualizado de todos os movimentos financeiros, o qual devia ser verificado pela vereação no final do seu mandato e escrutinado pelo corregedor.

Segundo a Câmara Municipal, «atualmente são raros os livros de receitas e despesas concelhios que se conservam, como os de Loulé. Os registos preservados foram lavrados entre 1375 e 1517, mas apresentam dados relativos a períodos anteriores. Assim, a presente comunicação pretende refletir sobre as limitações e potencialidades desta documentação para o estudo de Loulé e do Algarve».

Gonçalo Silva é investigador no Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, desde 2009, onde é coinvestigador, responsável pelo Projeto «Pensar em grande sobre as pequenas vilas de fronteira: Alto Alentejo e Alta Extremadura leonesa (séculos XIII – XVI)», financiado pela FCT.

Licenciou-se em História (2010) e obteve o seu Mestrado em História – Área de Especialização História Medieval, Doutoramento em História – Área de Especialização História Medieval e Doutoramento Europeu (2021), na FCSH-UNL.

A sua tese de doutoramento incidiu sobre as vilas e cidades portuárias do Algarve entre 1249 e 1521. As suas áreas de interesse são história medieval, história marítima, história urbana e história religiosa, assim como as humanidades digitais e comunicação de ciência. Atualmente integra vários projetos nacionais e internacionais.

Esta iniciativa está sujeita a inscrição prévia através de e-mail, dado o número limitado de participantes.