Centro de Medicina de Reabilitação do Sul retoma pleno funcionamento

  • Print Icon

O Centro de Medicina de Reabilitação do Sul (CMR SUL), em São Brás de Alportel retoma o pleno funcionamento com a reabertura total do número de camas em internamento.

Uma conquista defendida por Vítor Guerreiro, presidente da Câmara Municipal, desde 2014 junto de sucessivos governos, alcançada na quarta-feira, dia 3 de março, com o início de uma nova valência de reabilitação para doentes pós COVID-19.

Trata-se de um serviço inovador na área da reabilitação, sob coordenação da equipa do CMR Sul, que visa dar resposta adequada a quadros clínicos complexos de doentes COVID-19, sujeitos a ventilação mecânica invasiva e que necessitam de programas de reabilitação específicos, mais intensivos, e com uma abordagem multidisciplinar.

Este novo investimento na saúde dos portugueses, permitiu a reabertura de mais 25 camas e a contratação de pessoal especializado, devolvendo o pleno funcionamento ao Centro de Medicina e de Reabilitação Física do Sul.

Um percurso acompanhado e defendido de forma incisiva, há mais de sete anos, pelo Município de São Brás de Alportel, liderado por Vítor Guerreiro, junto dos sucessivos governos e que alcança com esta nova medida o seu objetivo, «dotar esta Unidade dos profissionais necessários à prestação de cuidados de saúde especializados na área da reabilitação, permitindo assim a otimização da sua lotação máxima e consequentemente a ampliação das respostas na área da saúde a nível nacional».

Na continuidade do apoio ao pleno funcionamento desta infraestrutura de referência, Vítor Guerreiro afirmou que o município de São Brás de Alportel garantiu ainda o financiamento do processo de acreditação internacional atualmente expirado, dado tratar-se, acima de tudo de uma questão formal, uma vez que esta unidade de saúde continua a reger-se por elevados padrões de qualidade.

O autarca são-brasense reafirmou ainda que «a autarquia continuará empenhada em apoiar, em estreita articulação com o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), todas as questões de segurança no perímetro envolvente, em termos de limpeza de terreno, acessos, transporte, entre outras necessidades que contribuam para o bom funcionamento dos serviços de saúde prestados à população».

Um investimento na qualidade de vida e saúde, a nível local, regional e nacional, que terá continuidade pós COVID-19, permitindo o aproveitamento desta Unidade Hospitalar de excelência na sua capacidade máxima.