Castro Marim lança novos apoios educativos e bolsas de investigação

  • Print Icon

Objetivo da autarquia de Castro Marim «é criar oportunidades para as crianças e jovens do concelho prosseguirem estudos».

Para este ano letivo de 2022/23, e como já tem sido comum, o município de Castro Marim volta a apostar em apoios educacionais, reforçando ainda as bolsas de estudo que contam com algumas alterações.

A atribuição destas últimas a agregados mais carenciados é realizada a estudantes de ensino Secundário e Superior, sendo que agora é necessário fazer prova do pedido aos serviços académicos da universidade. A estas, acrescem novas bolsas de mérito e de investigação (candidaturas até 31 de outubro), independentes da condição social.

A introdução de novas modalidades de apoio «é uma iniciativa que procura uma maior justiça na atribuição das bolsas de estudo, mas também um reconhecimento municipal a alunos que se destacam pelos resultados escolares», assegura a autarquia.

De realçar também que o município oferece os livros de fichas (Português, Matemática, Estudo do Meio e Inglês) a todos os alunos do 1º Ciclo que frequentem o Agrupamento de Escolas de Castro Marim. No total, serão cerca de 300 os estudantes abrangidos por esta iniciativa.

Serão financiadas, de novo, as refeições a todos os alunos dos escalões A e B do 1º Ciclo, assim como, aumentados os auxílios económicos para aquisição de material escolar do 1º ao 3º Ciclo do ensino Básico.

E ao abrigo do novo regulamento, «passamos a financiar 100 por cento dos passes escolares aos estudantes do concelho», afirma.

Por fim, no âmbito das transferências de competências das escolas para as autarquias, o município alargou a sua oferta educativa e, em articulação com o agrupamento de escolas, passa a dar uma resposta efetiva às Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC´S), disponibilizando técnicos da autarquia para a sua dinamização. A partir do arranque deste ano letivo serão, ainda implementadas as disciplinas de TIC, Inglês e Música.

Para a Câmara Municipal de Castro Marim, «este é um grande esforço no apoio às famílias, comunidade educativa, jovens e crianças, contribuindo para uma descriminação positiva do território. Com o novo regulamento, procura-se ser mais abrangente no apoio, mas também tornar o processo mais justo e mais escrutinado, no sentido da justiça e equidade social».