Captação de água no Guadiana avança «a passo firme» diz Algfuturo

  • Print Icon

Anúncio do governo em aceitar a proposta de captação de água no Guadiana foi «o culminar de uma cooperação exemplar entre a sociedade civil e o poder público» diz Algfuturo.

A solução para reforçar o abastecimento de água ao Algarve apresentada pela Algfuturo – União Empresarial do Algarve foi aceite pelo ministro do Ambiente João Pedro Matos Fernandes.

Segundo aquele coletivo, a «ideia já tinha 40 anos e foi apresentada pela primeira vez pelo deputado José Vitorino na Assembleia da República. O que à data parecia uma mera profecia vai agora tornar-se numa realidade forte e oportuníssima face aos problemas da seca, diga-se desde já, que entre tantas coisas que são de criticar esta merece um louvor pela forma como o processo decorreu».

A proposta «merece consenso num cotejo do equilíbrio e ponderação, segue o seu caminho em passo firme, pois o dinheiro da bazuca foi agora desbloqueado, seguindo-se de imediato a apresentação de uma candidatura».

Ainda segundo a Algfuturo, a obra levará 18 a 24 meses, acrescendo as tramitações processuais e avaliação de estudos.

O processo conducente a este desfecho numa iniciativa da Algfuturo e colaboração da Universidade do Algarve «foi absolutamente exemplar com participação aberta das populações, fundamentação do pretendido, negociação técnica com os órgãos públicos com sigilo absoluto, encontro final de altíssimo nível e por fim o anúncio pelo ministro de que a solução Guadiana e uma dessalinizadora eram as medidas de fundo».


Carmona Rodrigues, pai da ideia de bombear água no Pomarão José Vitorino, presidente da Algfuturo.

Por isso, a Algfuturo já a levou ao conhecimento da presidente da Comissão Europeia.

«Ainda há caminho a percorrer, mas a proposta apresenta-se sólida pela quantidade de água disponível no Pomarão e obra com impactos sempre muito inferiores a qualquer outra. Por outro lado achamos estar absolutamente fora de questão entidades espanholas levantarem qualquer questão, pois durante cerca de três décadas retiraram milhões de litros cúbicos de água dessa zona comum sem qualquer autorização das autoridades portuguesas», considera a associação liderada por José Vitorino.

«É um passo de gigante para o Algarve, pois estima-se que o aumento da água bombeada do Pomarão e seguindo por uma conduta até à bacia de Odeleite seja correspondente ao total do consumo humano na região durante um ano».

Assim, a direção da Algfuturo nesta data torna público o justo louvor a todos o que têm participado: população, associações, autarcas, Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Águas do Algarve, Direção Geral de Agricultura e Pescas do Algarve e Universidade do Algarve.