Atividade turística não conseguiu recuperar em setembro

  • Print Icon

Atividade turística não recupera em setembro com menos 52,2 por cento de hóspedes.

A atividade turística não recuperou em setembro, tendo registado 1,4 milhões de hóspedes e 3,6 milhões de dormidas, o que corresponde a quedas de 52,2 por cento e 53,4 por cento, respetivamente, segundo uma estimativa rápida hoje divulgada pelo INE.

Segundo a Estimativa rápida da atividade turística em setembro de 2020, do Instituto Nacional de Estatística (INE), «o setor do alojamento turístico deverá ter registado 1,4 milhões de hóspedes e 3,6 milhões de dormidas, o que corresponde a variações de -52,2 por cento e -53,4 por cento, respetivamente», depois de em agosto as quedas terem sido de 3,2 por cento e 47,1 por cento, pela mesma ordem.

Estima-se também que as dormidas de residentes tenham diminuído 8,5 por cento (queda de 2,1 por cento em agosto) e que as de não residentes tenham caído 71,9 por cento (queda de 72,0 por cento no mês anterior).

Em setembro, 24,3 por cento dos estabelecimentos de alojamento turístico terão estado encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (21,2 por cento em agosto).

Quanto às dormidas de residentes, o INE estima que tenham diminuído 8,5 por cento, depois de uma queda de 2,1 por cento em agosto, fixando-se em dois milhões, o que representa 57,2 por cento do total.

Já as dormidas de não residentes terão decrescido 71,9 por cento (-72,0 por cento no mês anterior), situando-se em 1,5 milhões.

Os hóspedes residentes terão sido 890,3 mil, o que se traduz numa queda de 15,1 por cento (menos 4,6 por cento em agosto) e os hóspedes não residentes terão atingido um total de 492,7 mil, recuando 73,3 por cento (menos 70,1 por cento no mês anterior).

O Alentejo terá continuado a apresentar a menor diminuição no número de dormidas, com uma descida de 19,9 por cento (-15,3 por cento no mês anterior).

O INE destaca, ainda, os crescimentos das dormidas de residentes no Algarve (+10,3 por cento) e Alentejo (+5,2 por cento).

A autoridade estatística sublinha que a fonte utilizada para o estudo foi o Inquérito à Permanência de Hóspedes na Hotelaria e outros Alojamentos e que os resultados apresentados poderão ser revistos, uma vez que a informação primária ainda não foi totalmente recolhida.