ARS promove rastreios do Cancro da Mama em Castro Marim e VRSA

  • Print Icon

A Administração Regional de Saúde (ARS) rastreios do Cancro da Mama nos concelhos de Castro Marim e Vila Real de Santo António (VRSA).

O Núcleo de Rastreios da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, em colaboração com a Associação Oncológica do Algarve (AOA), está a realizar o Rastreio do Cancro da Mama às utentes dos concelhos de Castro Marim e Vila Real de Santo António.

O exame é dirigido a todas as mulheres dos 50 aos 69 anos inscritas em Unidades de Saúde dos concelhos de Castro Marim e Vila Real de Santo António e é realizado numa unidade móvel que se encontra instalada junto ao Centro de Saúde de Vila Real de Santo António, das 09h00 às 13h00 e das 13h30 às 16h00 (dias úteis) e aos sábados, estando previsto decorrer até dia 16 de setembro de 2021.

Inicialmente, as utentes recebem uma carta com indicação dos contactos para proceder à marcação do rastreio, devendo o agendamento ser efetuado, posteriormente, pela utente, via online ou através das linhas de atendimento telefónico (289 889 912; 969 088 933; 969 089 520; 963 606 714; 969 030 144) ou por email (rastreio.oncologico@arsalgarve.min-saude.pt).

Em virtude da atual pandemia de COVID-19, vão ser alterados alguns procedimentos do rastreio de forma a garantir a segurança e proteção dos utentes e profissionais de saúde.

Os utentes deverão usar máscara cirúrgica de proteção. Esta não deve ser mexida nem retirada durante o tempo que a utente esteja na unidade móvel.

Será avaliada a temperatura antes do exame. Caso a utente se sinta doente ou febril, não deverá comparecer ao rastreio e deve contactar para remarcar o exame.

A hora da marcação deverá ser respeitada, já que o intervalo entre cada utente permite manter o distanciamento social, de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS), bem como garantir os tempos necessários para a higienização das áreas utilizadas.

Desde julho de 2017 que o rastreio é efetuado na Unidade Móvel de Rastreio do Cancro da Mama a 3D, com Tomossíntese e diagnóstico assistido por computador (CAD), sendo o Algarve a primeira região do país a realizar, em todos os concelhos, o rastreio com esta tecnologia de última geração, o que permite aumentar a taxa de deteção de cancros da mama e reduzir os falsos positivos e a dose de radiação aplicada em cada exame.

O Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve, efetuado em parceria com a Associação Oncológica do Algarve e o Centro Hospitalar Universitário do Algarve, teve início em setembro de 2005 e percorre todos os concelhos do Algarve, encontrando-se, neste momento, já na sétima volta, sendo a convocatória, referenciação, gestão e monitorização do programa efetuado pelo Núcleo de Rastreios da ARS Algarve.