Algarve estreia cimeira de inovação e tecnologia para atrair investimento

  • Print Icon

Primeira edição do «Algarve Tech Hub Summit», cimeira de inovação e tecnologia, vai acontecer entre 28 de março e 03 de abril.

O Algarve Tech Hub Summit, evento que pretende atrair investimento digital, vai contar com 12 entidades da região, reunir 10 países e mais de 50 oradores, de várias áreas da inovação e tecnologia, tais como turismo, mar, saúde, energia, e cultura, entre 28 de março e 3 de abril, em diferentes palcos em Faro e Loulé.

Estão previstas conferências, debates, exposições, eventos de networking, a missão empresarial Tech México – Algarve e o Disrupt 22 Algarve Tech Hub – Ideathon & Start-up Competition, um concurso de startups para que novas ideias se desenvolvam a partir do evento que será aberto ao público, mediante inscrição gratuita.

Hoje, na sessão de lançamento oficial do «Algarve Tech Hub Summit», em formato online, foi apresentado o estudo «Mapeamento do Sector Tecnológico do Algarve», pelo Algarve STP, que faz o retrato das empresas tecnológicas do Algarve, assim como uma análise estatística do sector TIC e identifica o potencial do ecossistema da região, para que seja reconhecida à escala global e consiga atrair nómadas digitais, remote workers, estudantes, talentos, empresas e investidores.

De acordo com o estudo elaborado pela consultora Blackbird, países como Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos da América, Espanha e Brasil lideram o ecossistema TIC no Algarve e são estas as apostas a reforçar, a que se juntam outros, como o México, China, Marrocos, Rússia e Canadá.

Esta é uma ferramenta de trabalho relevante para a atuação da marca Algarve Tech Hub, uma iniciativa da Universidade do Algarve e das associações Algarve STP e Algarve Evolution, com o objetivo de promover a região como um hub tecnológico global e competitivo.

Na sessão, o Reitor da Universidade do Algarve (UAlg), Paulo Águas, sublinhou que a academia «tem responsabilidades na dinamização deste tipo de atividades, que visam a diversificação da economia da região, a transferência de conhecimento e pretendem tornar o Algarve numa região interessante não só para estudar, mas também para trabalhar».

Miguel Fernandes, presidente da Algarve Evolution, reforçou a importância de estreitar relações entre as entidades do sector público e privado para que o Algarve alcance outro patamar de reconhecimento enquanto destino.

Miguel Fernandes.

«Só assim, em conjunto, com uma marca coesa, vamos ter força suficiente para quebrarmos este gelo a nível internacional», disse.

Com objetivos traçados para os próximos nove anos, a ideia é que quem escolha o Algarve para trabalhar, «não sejam meros consumidores, mas que fiquem vinculados ao ecossistema local e potenciem o conhecimento e o talento através de parceiras».

O presidente do Algarve STP, Francisco Serra enquadrou o projeto KCITAR, no âmbito do qual foi desenvolvido o estudo, cuja apresentação esteve a cargo de Hugo Pinto, da Blackbird.

Vanessa Nascimento.

Vanessa Nascimento, da Algarve Evolution, revelou a iniciativa, que nasceu com a ATH, e que visa promover a inovação, a tecnologia e o tecido empresarial do Algarve e posicionar a região como o melhor destino de lifestyle da Europa.

Nas próximas semanas serão conhecidos os oradores confirmados.