Albufeira reabriu galerias municipais de arte com novas exposições

  • Print Icon

As galerias municipais de arte de Albufeira abriram ao público na segunda-feira, dia 5 de abril, mantendo as devidas recomendações da DGS.

Na Galeria Municipal João Bailote, a exposição de fotografia e desenho «From Above» resulta de uma proposta feita pelo município de Albufeira para o Plano Cultural de Escola do Agrupamento, que foi bem aceite e desenvolvido pelas professoras Carla Rajão, de Desenho, e Fernanda Lamy, de Português, com os seus alunos das turmas 10º B, H e I, numa articulação com as aprendizagens essenciais.

O desafio foi complexo: «Albufeira, Ferreiras, Paderne, Guia vistas de cima: sótãos, terraços e varandas, telhados, do alto de uma falésia ou de um miradouro – que imagens, perspetivas, ângulos e pontos de vista?».

Já na disciplina de Português, a inspiração veio do capítulo XI da «Crónica de D. João I», onde lê: «As gentes que esto ouviam, saíam aa rua veer que cousa era; […] e era tanta que era estranha cousa de veer. Nom cabiam pelas ruas principaes, e atrevessavom logares escusos, […]». Ou seja, perspetivas diferentes para as mesmas realidades.

Os trabalhos estão expostos na Galeria desde a passada segunda-feira, mas a inauguração é online, amanhã, quarta-feira, 7 de abril, às 14h30, com a participação de alunos, professores e entidades envolvidas. Refira-se que a exposição integra o PNA – Plano Nacional das Artes.

Por seu turno, na Galeria de Arte Pintor Samora Barros, a exposição «Minhas raízes» é uma retrospetiva sobre «memórias, raízes, relação com a cultura local, trabalhos no campo, natureza, animais e viagens pelo Alentejo», do artista plástico Vítor Pisco.

As técnicas utilizadas são o acrílico, óleo e a técnica mista. Segundo Vítor Prisco, as suas «inspirações vêm das memórias do Alentejo de outrora e algumas do presente. Nas telas podem-se ver ceifeiras, pastores, mondadeiras, aguadeiras, carreiros, e aves como perdizes, coelhos, lebres, abetardas e sisões entre outros animais autóctones».

Vítor Pisco começou a desenhar e pintar em criança à lareira. Depois, na escola primária, nos intervalos ficava na sala de aula a desenhar e é só em adulto que toma contacto com as primeiras técnicas de pintura a óleo, nomeadamente com o pintor impressionista Camol D’Évora.

Deste modo, iniciou-se a sua fase de pintura em acrílico e técnica mista. Vítor Pisco adota um estilo livre, sem regras, embora sejam marcantes as influências de pintores como Picasso, Salvador Dali, Van Gogh, Marc Chagall e Kandinsky, marcando o seu percurso por estéticas diversas, como o expressionismo, neoexpressionismo, abstracionismo e expressionismo figurativo. A mostra estará patente até 27 de abril.

Ambas as exposições podem ser apreciadas seguindo as prescrições da Direção-Geral de Saúde, de segunda a sexta-feira, nos horários 9h30-12h30 e 13h30-17h30, encerrando aos sábados, domingos e feriados.