AHRESP: Prioridade do novo governo deve ser «salvar as empresas»

  • Print Icon

A Associação da Hotelaria e Restauração (AHRESP) defende que a «prioridade do novo governo deve ser salvar as empresas» do sector.

A AHRESP quer medidas de reforço da tesouraria, e reclama um «apoio imediato a fundo perdido» pelos «encerramentos involuntários» devido à variante Ómicron.

«Qualquer que seja a solução a resultar deste processo [de eleições legislativas do passado domingo, em que o PS obteve a maioria absoluta], a AHRESP [Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal] considera que a prioridade de um novo executivo deve ser salvar as empresas, implementando medidas fundamentais para o reforço da tesouraria das empresas», sustenta a associação no seu boletim diário, hoje divulgado.

A este propósito, a AHRESP lembra ter recentemente enviado ao governo e a todos os partidos políticos um conjunto de 20 propostas para ajudar a recuperar empresas e a relançar a economia, baseadas em cinco eixos fundamentais: incentivo ao consumo, fiscalidade, capitalização das empresas, qualificação e dignificação do emprego, legislação laboral e contratação coletiva.

«Entre as propostas que fizemos está a aplicação da taxa reduzida do IVA a todo o serviço de alimentação e bebidas durante o ano de 2022, o prolongamento do IVAucher e várias medidas fiscais como a descida do IRC, IRS e o fim do pagamento especial por conta», recorda.

No boletim de hoje, a associação defende ainda que o «encerramento involuntário» de muitos estabelecimentos do setor que se tem vindo a verificar devido a infeções com covid-19 «deve ser acompanhado por medidas de compensação».

«Face à elevada taxa de transmissibilidade da variante Ómicron, as empresas da restauração e similares e do alojamento turístico estão a ser obrigadas a proceder a encerramentos involuntários, devido à ausência de trabalhadores que se encontram infetados com a covid-19 ou em isolamento profilático», refere.

Segundo explica a associação, «durante este período a empresa mantém a obrigação de assegurar o pagamento por inteiro de todos os custos fixos, nomeadamente os salários dos trabalhadores que não foram infetados nem se encontram em isolamento».

«Perante estes graves constrangimentos, a AHRESP defende que deve ser atribuído um apoio específico a fundo perdido, de atribuição simples e imediata, de modo a compensar todos os custos que as empresas continuam a ter de suportar em períodos de ausência total de faturação, como resultado do encerramento forçado de estabelecimentos», reclama.

O PS alcançou a maioria absoluta nas legislativas de domingo e uma vantagem superior a 13 pontos percentuais sobre o PSD, numa eleição que consagrou o Chega como a terceira força política do parlamento.

Com 41,7 por cento dos votos e 117 deputados no parlamento, quando faltam atribuir apenas os quatro mandatos dos dois círculos da emigração, António Costa alcança a segunda maioria absoluta da história do Partido Socialista, depois da de José Sócrates em 2005.

O PSD ficou em segundo lugar, com 27,80 por cento dos votos e 71 deputados, a que se somam mais cinco eleitos em coligações na Madeira e nos Açores, enquanto o Chega alcançou o terceiro lugar, com 7,15 por cento e 12 deputados, a Iniciativa Liberal (IL) ficou em quarto, com 5 por cento e oito deputados, e o Bloco de Esquerda em sexto, com 4,46 por cento e cinco deputados.

A CDU com 4,39 por cento elegeu seis deputados, o PAN com 1,53 por cento terá um deputado no parlamento, e o Livre, com 1,28 por cento também um deputado. O CDS-PP alcançou 1,61 por cento dos votos, mas não elegeu qualquer deputado.