Agricultores de Monchique recebem apoios da Câmara Municipal

  • Print Icon

Agricultores de Monchique recebem apoio da Câmara Municipal para recuperar equipamentos agrícolas destruídos pelo incêndio.

Na sequência do incêndio que deflagrou este sábado em Monchique e que se estendeu ao concelho vizinho de Portimão, registou-se uma área total ardida de 2134 hectares.

No concelho serrano arderam 656 hectares, na sua maioria zonas de mato (271ha), mas também área de floresta de produção (eucalipto (163ha), sobreiro (130ha) e pinheiro manso (25ha).

Equipas da Câmara Municipal já procederam a um primeiro levantamento dos prejuízos de onde se registam 33 hectares destinados a pastagens e cerca de 30 hectares de terrenos agrícolas e pomares.

Esta segunda-feira, 19 de julho, decorreu uma reunião do presidente da Câmara de Monchique, Rui André, com os proprietários lesados deste incêndio, onde esteve presente Pedro Valadas Monteiro, diretor regional de Agricultura e Pescas do Algarve a convite da autarquia, além de técnicos deste município com o objetivo de ouvir os lesados deste incêndio e apontar soluções futuras de recuperação e reabilitação das áreas ardidas naquele concelho.

Desta reunião e, uma vez que o governo anunciou que já é possível a estes agricultores que sofreram prejuízos, reportá-los a Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) do Algarve «de modo a avaliar a possibilidade de acionar eventuais apoios».

A Câmara Municipal de Monchique acredita que o processo será semelhante ao dos incêndios de 2018, que segundo Rui André, foram processos muito burocráticos e desajustados das verdadeiras necessidades destas pessoas, levando a que muitos deles, apesar de terem apresentado as suas candidaturas com o apoio do Município, tenham desistido no decurso de um verdadeiro calvário burocrático que, a partida exclui imediatamente os prejuízos mais baixos.

Decidiu por isso a Câmara Municipal de Monchique esta terça-feira, 20 de julho, em reunião ordinária do executivo e por proposta do presidente, criar um mecanismo simplificado de apoio a estas vítimas do concelho de Monchique com vista a que possam rapidamente recuperar dos prejuízos causados por este incendio.

A criação deste um Fundo de Emergência tem como objetivo ajudar de forma célere e pouco burocrática aqueles pequenos agricultores cujos prejuízos não ultrapassem os 500 euros e se destinem à reabilitação de sistemas de rega, substituição ou reparação de maquinaria/motores, tubagens, vedações para animais, entre outras.

Mediante a apresentação dos prejuízos e depois de validados pelo município de Monchique, será disponibilizado de imediato o material necessário na Cooperativa Agrícola ou noutros espaços comerciais do concelho, podendo o mesmo ser levantado pelos lesados, com um prazo máximo de 30 dias para a sua instalação.

Este apoio não exclui a possibilidade de candidaturas futuras que estes mesmos agricultores possam fazer para outros prejuízos e de maior valor.

No que diz respeito aos prejuízos florestais, espera o município de Monchique a publicação de orientações/medidas de apoio, quer ao nível de Estabilização de Emergência, quer de retirada da madeira ardida e reabilitação destas áreas produtivas.

Da reunião com os proprietários, é manifesto o interesse em definir um plano integrado de gestão daquela área ardida, através da criação de uma Área Integrada de Gestão da Paisagem (AIGP), de forma a aproveitar esta oportunidade para otimizar a produção, valorizar e requalificar os terrenos agora afetados, bem como a linha de água existente e as suas galerias ripícolas.