«A Cultura sai à Rua» e percorre o concelho de Lagoa durante o verão

  • Print Icon

Programa «A Cultura sai à Rua» decorre em autocarro panorâmico, desde ontem e durante os meses de verão.

O município de Lagoa, face à situação epidemiológica da COVID-19 que se tem agravado na região, encontrou no autocarro panorâmico a solução para promover a cultura no concelho e continuar a ajudar os artistas locais. Nesse sentido, arrancou ontem, quinta-feira, dia 15 de julho, a 2ª edição da iniciativa «A Cultura sai à Rua», integrada num pacote de medidas de apoio aos artistas locais, num valor global de 150 mil euros. 

O desafio lançado aos artistas passava pela criação de várias musicas alusivas ao concelho e pela oferta de cartões promocionais dos seus trabalhos, que também poderão ser promovidos através da plataforma «Algarvios».

Cada artista poderá participar nas três medidas de apoio ou apenas nas que considerar mais vantajosas para si. Estas formas de apoio saíram de uma reunião promovida pelo município de Lagoa com cerca de 60 artistas locais, onde foram debatidas as dificuldades que a cultura atravessa, devido à pandemia COVID-19, as dificuldades que sempre existiram, e várias propostas, diretas ou indiretas, de apoiar os artistas locais e de continuar a promover a cultura no concelho.

Dessa necessidade de apoio nasceu a iniciativa «A Cultura sai à Rua», que arrancou ontem e terá mais de 40 artistas envolvidos e 56 espetáculos musicais, durante os meses de julho, agosto e setembro, de terça a sexta-feira, com espetáculos diários de quatro horas. O programa percorrerá o concelho por quatro percursos distintos, entre as 18h30 e as 22h30. O horário definido poderá vir a ser alterado, conforme a situação epidemiológica de Lagoa.

Para além dos espetáculos móveis no autocarro panorâmico, haverão espetáculos pontuais, pelo concelho e em recintos fechados, sempre que as condições epidemiológicas o permitirem. 

Para Luís Encarnação, presidente da Câmara Municipal de Lagoa, «este pacote de medidas de apoio aos artistas locais é fundamental para não deixar morrer a cultura e ajudar um dos setores mais afetados pela pandemia. Esta iniciativa é mais do que uma ajuda aos músicos, porque acaba por, indiretamente, ajudar outros setores, como o comércio local».